EFE/EPA/ETTORE FERRARI
EFE/EPA/ETTORE FERRARI

Análise: Papa Francisco leva um samba de terreiro ao Vaticano

A maior demonstração do religioso da prática da diversidade cultural mencionada em sua encíclica está na atitude: ele citou uma canção de Vinícius de Moraes e Baden Powell que pede bênção a mamãe Oxum

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2020 | 14h35

O papa Francisco fez uma referência ao Samba da Bênção durante sua fala deste domingo, em Roma. “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida”, repetiu a frase feita por Vinicius de Moraes para o samba de Baden Powell escrito em 1962 e lançado no álbum do poeta com Odette Lara em 1963, durante a leitura de uma forte encíclica batizada 'Todos Irmãos'. Sua fala defendeu o direito às migrações, cobrou uma reforma da Organização das Nações Unidas e do sistema financeiro mundial. 

Vinicius e Baden estariam sorrindo de satisfação, não apenas pela deferência eclesiástica de Francisco com a citação da música para falar sobre a importância de se aprender a viver na diversidade racial e cultural, mas também pelo poder de expansão territorial de um samba de terreiro. Ao ser citada no Vaticano por um papa, a figura mais importante no catolicismo depois do próprio Jesus Cristo, Samba da Bênção sai das giras para entrar na missa 53 anos depois de sua criação.

Francisco se ateve ao verso mais, digamos, ecumênico. Não é preciso nem ter religião para entender o que Vinicius quis dizer com sua frase sobre encontros e desencontros. Mas, cuidado santidade. Se a tropa de choque dos conservadores que caminha a seu lado sonhando com sua deposição for mais à fundo, vai acusá-lo de quebra de decoro religioso ao descobrir que Samba da Bênção tem os dois pés no Candomblé. Vejamos o que diz o poeta Vinicius alguns versos adiante, quando chega o momento de se pedir bênção a torto e a direito: “A bênção, meu bom Cyro Monteiro você, sobrinho de Nonô / A bênção, Noel, sua bênção, Ary / A bênção, todos os grandes sambistas do Brasil / Branco, preto, mulato / Lindo como a pele macia de Oxum.”

Oxum, a orixá das cachoeiras, a entidade que reina sobre as águas doces, é considerada a senhora da beleza, da fertilidade, do dinheiro, da sensibilidade e do poder feminino. Mamãe Oxum. Vinicius, que se intitulava “o branco mais preto do Brasil” e Baden, convertido no final da vida a uma igreja evangélica, estavam com todos os santos das religiões de matrizes africanas à flor da pele. Quatro anos depois de criar os versos citado pelo papa, lançariam o antológico álbum Os Afro-Sambas, calma Vaticano, com Canto de Ossanha, Canto de Xangô, Bocoché, Canto de Iemanjá, Tempo de Amor, Canto do Caboclo Pedra-Preta, Tristeza e Solidão e, atenção, Lamento de Exu, uma figura que muitos sacerdotes juram ainda ser, equivocadamente ou estrategicamente, o próprio diabo.

O papa Francisco levou para os metros quadrados mais reverenciados da Igreja Católica os versos de uma canção de matriz afro-religiosa. Pecado? Jamais, diriam os progressistas de confessionário. Do lado dos terreiros, ninguém sai dizendo pra ninguém não cantar música gospel ou hino católico. Afinal, como afirmavam Vinicius de Moraes e Baden Powell desde 1962, e como repetiu um papa argentino em 2020, “a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida.” O mundo de Francisco encontrou o mundo de Vinicius.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.