Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Análise: Com sorriso fácil e samba cotidiano, Zeca Pagodinho é 'gente como a gente'

Ouvir Pagodinho é se sentir na roda de samba ao lado dele, de olho nos personagens que ganham vida nas suas palavras cantadas por ele e pelos amigos

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2018 | 06h01

A cada degrau vencido, Zeca Pagodinho parecia desmontar. Desanimado, fazia seus passos ressoarem, preguiçosos, pelo segundo andar de um restaurante chique na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Naquela manhã de setembro de 2010, Zeca recebera a notícia da morte do amigo de infância dele, sambista Deni de Lima. Murchinho, ele tentou esboçar um sorriso. “Por favor, um chope para mim e outro para o garoto aqui”, disse ele, ao garçom. Com o copo suado em mãos, levou-o à boca, deu algumas goladas e, ao olhar para o repórter, disse: “É bom para molhar a palavra. Vamos começar a entrevista?”.

TUDO SOBRE: Zeca Pagodinho

Ali, Zeca Pagodinho estava fora do seu hábitat. Pouco tocou no chope que, já quente, permaneceu esquecido na mesa enquanto ele falava, meio ranzinza, sobre o disco que lançava na época, chamado Vida da Minha Vida, afirmava gostar de Los Hermanos e sobre a decisão de parar de fumar. Leia a entrevista, da época, aqui: 'Um bamba de família'

Bem diferente do Zeca que recebeu a reportagem na casa dele em Xerém, rodeado de amigos sambistas, sob o olhar de uma enorme estátua de São Jorge posicionada na entrada do sítio de Duque de Caxias. Falante, distribui abraços com o copo cheio de cerveja à mão, sem desperdiçá-la. Em março de 2012, reuniu uma turma de compositores e sambistas, famosos como Jorge Aragão ou à época desconhecidos, caso de Zé Roberto, que integravam o time do álbum Quintal do Pagodinho

 +++ 'Zeca Pagodinho – Uma História de Amor ao Samba' retrata a cultura de subúrbio

Churrascão, amigos, cerveja, sol forte na cuca. Aí, sim, Zeca Pagodinho era ele mesmo. Feliz, colocava foco nos novos compositores, como fizeram por ele, na época que surgiu nos encontros dominicais do bloco Cacique de Ramos. Assim como foi apresentado ao público por Beth Carvalho, quis retribuir o favor. A entrevista, desta vez, está aqui: 'Sob as bênçãos de Zeca Pagodinho'

Isso diz muito sobre quem é Zeca Pagodinho, o artista, cujas vivências artísticas e pessoais se entrelaçam de tal forma que é impossível desassociá-las. Sujeito de gostos simples, de família, leal aos amigos. Deixou Xerém – foi com a família para Barra da Tijuca – mas manteve lá suas raízes e seu sítio. Em 2013, foi visto auxiliando moradores da região que sofreu com as fortes chuvas daquele verão. 

Magricelo que só, estampou com seu rosto de sorriso de lado no seu primeiro disco, lançado lá em 1986. Antes disso,gravou um samba seu (criado com Arlindo Cruz e Beto Sem Braço) três anos antes, a convite de Beth Carvalho. Com Camarão que Dorme a Onda Leva, Zeca exibia sua linguagem coloquial, de impacto fácil. Virou hit. Zeca Pagodinho, o disco, traz consigo mais sucessos que integram até hoje o repertório do artista. São dele, por exemplo, SPC (aquela do “vou sujar seu nome no SPC”), Coração em Desalinho, Quando Eu Contar (Iaiá), Brincadeira Tem Hora... 

+++ Gustavo Gasparani estreia 'Zeca Pagodinho – Uma História de Amor ao Samba', em fase especial

Zeca nunca foi cantor daqueles que empossam a voz, usam o diafragma. Seu papel é outro: traz a realidade na qual vive ainda hoje para o samba. Seu sucesso é estrondoso porque poucos do samba foram capazes de ser tão “gente como a gente”. Ao longo da carreira, soube entender como seu som não precisa de excessos. Ganha o ouvinte pelas histórias contadas ali. Ouvir Pagodinho é se sentir na roda de samba ao lado dele, de olho nos personagens que ganham vida nas suas palavras cantadas por ele e pelos amigos. Quando está entre os seus, é só sorriso e piadas. O Zeca dos discos é tão real quanto eu e você. 

Mais conteúdo sobre:
música Zeca Pagodinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.