Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Análise: Alice Cooper abriu as portas do inferno para criar a indústria do terror

Roqueiro, que completa 70 anos, fez surgir o espetáculo teatral dos shows de rock

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2017 | 06h00
Atualizado 02 de fevereiro de 2018 | 14h53

Os homens estavam sérios demais em 1975. Subiam ao palco com guitarras para longos solos de improviso em posturas austeras para fazer música adulta. Depois de quase 10 anos do impacto lisérgico e grandiloquente de Sgt. Pepper’s, o blues rock e o southern rock começavam a desaguar ou no hard rock ou no rock progressivo.

Alice Cooper, o nome da banda antes de ser o do homem, completa 70 anos neste domingo, 4. Foi ele quem percebeu que havia espaço de sobra para a fantasia. O discurso de sua proposta gótica era inverossímil por si só, o que lhe deixava com duas possibilidades. Ou levava o jogo a sério e fazia rock nos moldes adultos da época, ou assumia como verdade o que cantava. Nascia o espetáculo teatral dos shows de rock ou, a nomenclatura que ele acabou aproveitando dos críticos, o “teatro do horror”.

+ Alice Cooper: “Não tenho planos de me aposentar, vou gravar e fazer turnês até não poder mais”

Cooper abriu o portal de uma imaginação até então trancafiada nas pretensões dos guitar e vocal heroes. Ator e músico de Detroit, percebeu a dimensão dramática do negócio e apostou alto. Investiu em jogos de luzes sofisticados, pela primeira vez uma banda fez isso, e em uma roteirização cinematográfica potencializada por uma música de alta tensão. Surgia o gênero das horror bands.

Uma indústria nasceu da visão de Cooper, inspirada na crença fajuta de que o demônio é o Senhor, e bandas se ergueram das profundezas. Black Sabbath, Kiss, Iron Maiden, Slipknot e todas as ramificações surgiriam da gene de um mal que nunca fez mal a ninguém.

Guilhotinas, cadeiras elétricas, cobras e muito sangue. Falando assim, causa repulsa. Mas experimente vê-lo ao vivo. Vendedor de 50 milhões de discos, o avô do metal reclama de reconhecimento no hall da fama de seu universo. “Não sei como podem continuar fingindo que Alice Cooper nunca existiu. Eu fui o começo disso tudo.” É melhor acreditar, antes que o homem se enfeze.

Relembre os clássicos de Alice Cooper:

Tudo o que sabemos sobre:
Alice CooperRock in Riorock

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.