Ana Maria Braga lança CD

Receita pra felicidade. Serespecial. Eu sei, mas não devia. Conselhos. Saúde, Paz, Amor eAlegria. Xô, Baixo-Astral! Parece o hit parade dos livros deauto-ajuda, lista dos mais vendidos de não-ficção no jornal dedomingo, mas são apenas títulos de canções do disco de estréiada apresentadora Ana Maria Braga, Sou Eu (BMG). Investida das funções de Perfeita Cozinheira das Almasdesse Mundo (mas infelizmente desprovida de alguma receitaantropofágica, como as de Oswald), a apresentadora lançou hojeseu álbum num cenário adequado: o neo-yuppie hotel Unique, emSão Paulo. A maior parte das faixas não é cantada, mas declamadapor ela. Se você apresenta um quadro de insônia, apatia,pessimismo, monotonia e depressão, não se preocupe: Ana Mariatem a solução. "Pra esse quadro, um terapeuta espanhol vemreceitando uma coisa simples, mas que às vezes assusta: umamante." Trata-se da letra de Procura-se Um Amante, de autordesconhecido, a quinta faixa do seu disco. E a receita para encontrar um amante? Ela também dá, nãofique avexado. "Também podemos encontrá-lo na pesquisacientífica ou na literatura. Na música, na política, no esporte.No trabalho, na espiritualidade, na boa mesa." Encontrar umamante na boa mesa? Isso parece sinopse de filme de JohnBobbit. Muita gente foi cúmplice de Ana Maria nessa empreitada.Fábio Jr., Zezé di Camargo e Luciano, Leonardo, Xandy, MarinaColasanti e Carlos Heitor Cony, autor do texto musicado OMenino das Meias Vermelhas. E ainda Louro José e a Turma daAninha. "Com uma flor, se faz um lindo jardim." Para sermosapenas complacentes, é preciso dizer que o disco de Ana Maria étalvez um dos maiores desfiles de lugares-comuns por metroquadrado do planeta. Claro, surpresa seria se fosse o contrário.Mas, embora saibamos que o trânsito é terrível na Avenida 9 deJulho, cair nele por azar (ou excesso de voluntarismo) sempre éimpactante. "A vida é muito maior e melhor do que parece/ Depende sóde você", ela canta. Ou: "Degustando o molho/ Da químicaperfeita que acontece entre eu e você." A declamadora Ana Mariadá um novo sentido às palavras "brega" e "cafona". Confrontadacom gente do ramo, como Leonardo e Zezé di Camargo, ela permiteque possamos fazer uma clara distinção entre o profissional e odiletante da canção popular. De qualquer modo, a apresentadora Ana Maria Braga nãopensa em mudar de atividade. "A pretensão não é ser cantora",afirmou hoje, durante entrevista em São Paulo, acompanhada de umoutro estreante, o puppet Louro José (com o qual ela interpretaum rap no CD). "Nunca tive nenhuma performance razoável nessenegócio de cantar." Segundo ela, suas duas únicas experiênciasanteriores foram as de todo mundo: cantando no chuveiro e naescola. "Na escola, eu cantei Perfídia, algo de mil novecentose bolinha", confessou. A gravadora BMG não viu nenhum problema nisso. "Eusempre defendi cada macaco no seu galho: apresentador comoapresentador, artista como artista", disse a bionda conselheiragastronômica. "Acho que sou boa apresentadora, boa jornalista noque faço." Mas havia uma insistência do produtor RicardoSilveira, "desde os tempos da Record", e este ano o temerárioaventureiro lhe apresentou o que considera "um projeto comcabeça, tronco e membros." Tudo que a neocantora não queria era cantar os mesmostandards de Julio Iglesias e Roberto Carlos. Um lote de cançõesinéditas de Carlos Colla, Carlos Randal e Randalzinho, DuduFalcão, Elias Muniz, Luciana Browne e outros a convenceu, alémdo reforço substancial dos músicos do Roupa Nova. Ela confessaque seu único temor era que a voz grave não conseguisse chegaraos píncaros da emoção dos agudos de Zezé di Camargo e Luciano.Seu objetivo é oferecer aos fãs de seu programa, Mais Você,apresentado nas manhãs da Rede Globo, "textos repletos depositividade" para ouvirem no rádio, no carro, em casa. Uma jornalista quer saber por que, nessa nova onda deespiritualidade, ela não gravou nenhuma canção em homenagem aNossa Senhora. Ela explica que os textos foram mais voltadospara o "alto-astral, o bem-estar", é que nisso repousa suareligiosidade. Enquanto ela fala, para repórteres que elogiamsua "coragem" e "vontade de viver", as mensagens de "fé, amor eesperança" de La Braga passeiam pelos alto-falantes, ficamricocheteando e não tem teflon de frigideira que resista à suacapacidade adesiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.