Ana Carolina lança CD de inéditas "Estampado"

Apesar de ter se tornado onipresente no rádio, no ano passado, com uma canção alheia, Quem de Nós Dois, versão de um hit italiano dos anos 1990, a cantora e compositora Ana Carolina faz músicas aos borbotões. Por isso, seu disco deste ano, Estampado, com produção de Liminha, contém apenas composições dela (com exceção de Bicudos, de Tontonho Villeroy, seu parceiro mais constante), todas inéditas, a não ser Pra Rua me Levar, feita especialmente para Maria Bethânia. Com tanto empenho, que a própria Ana Carolina estranhou ouvir-se cantando. "São 15 faixas e ainda sobraram outras 10, que não caberiam no disco, e músicas que nem trabalhei porque não ia dar mesmo para incluir no CD", calcula ela. "Comecei a gravação com sete canções pré-produzidas e fui compondo as outras no estúdio. Quando parei para analisar, vi que havia uma diversidade de temas, de ritmos e de arranjos muito grande. Por isso, o disco se chama Estampado. As faixas são elementos, desenhos diferentes do todo." Estampado começa com baladas sobre amores contrariados e desavenças, sempre acompanhada de seu violão esperto ("é a primeira vez que toco em todas as faixas", comenta ela), por vezes, de cordas grandiosas, ou só do básico bateria e baixo. Lá pelo meio diversifica. Na faixa sete, Uma Louca Tempestade (dela e Bebeto Alves), imprime outro ritmo, mais afobado, que se torna premente no rap Vox Populi, e deságua na música que dá título ao disco, Vestido Estampado, samba-canção de melodia deliciosa e arranjo bossa nova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.