Amy Winehouse se atrasa para primeiro show pós-reabilitação

Eufórica, a cantora revelação britânica se apresenta para 90 mil pessoas na primeira noite do Rock In Rio Lisboa

Reuters e AP

30 de maio de 2008 | 20h31

Amy Winehouse fez uma breve apresentação para 90 mil pessoas nesta sexta-feira, 30, em seu primeiro show depois de sair da reabilitação. A vencedora do Grammy apareceu quase uma hora atrasada para se apresentar no festival de música Rock in Rio Lisboa.   Veja também:Teste seus conhecimentos sobre o Rock in Rio Ivete Sangalo enche de energia o palco do Rock in Rio Lisboa   "Desculpem pelo atraso", disse a cantora para a multidão que a aguardava. Ela cantou cerca de dez músicas, incluindo Rehab, hit que a tirou do anonimato e brinca com sua dependência alcóolica.   Ao longo do show a cantora esqueceu as letras, improvisou, tocou guitarra e pediu desculpas por estar eufórica. Amy afirmou que uma dor de garganta comprometia sua voz.   Quando cantou Love Is a Losing Game, a cantora chorou e anunciou que o marido - que está preso - em breve irá voltar para casa. Mais uma vez ela apareceu com a fita no cabelo em forma de coração com a palavra "Blake", o nome de seu marido.   O público não reagiu bem a todas as canções de Amy, mas os sucessos Back to Black e Tears Dry on Their Own foram saudados pela multidão. Clássicos da soul e da reggae music também fizeram parte da apresentação.   Os músicos que a acompanharam deram um show à parte: assim como a cantora, também improvisaram e tocaram A Message to you Rudy, que não estava programada. Ao final da apresentação Amy não voltou para o bis, e o público permaneceu quieto.   Apesar de sua vida pessoal conturbada, a carreira de Amy Winehouse parece inabalável - Back To Black (2006), seu segundo álbum, foi o disco mais vendido no mundo em 2007. A artista é famosa por perder shows e por estar sempre envolvida em confusões com drogas e bebida.   (Matéria ampliada às 21h30)   

Tudo o que sabemos sobre:
amy winehouserock in rio lisboa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.