Amplificação desequilibrada não tira entusiasmo do público durante apresentação da Orquestra Sinfônica Municipal

Após o concerto, um piano voador foi elevado sobre a o Vale do Anhangabaú

João Luiz Sampaio, O Estado de S. Paulo

05 de maio de 2012 | 21h36

A porção clássica da Virada começou pouco depois das seis da tarde, no palco montado sob o Viaduto do Chá. A Orquestra Sinfônica Municipal interpretou o Capricho Espanhol, de Rimsky-Korsakov, Uma Noite no Monte Calvo, de Mussorgsky, e a Sinfonia Novo Mundo, de Dvorak.

Em que pesem os deslizes de alguns dos solistas do grupo, em especial entre os metais, e a amplificação desequilibrada, que passou por cima das sutilezas da música, o público lotou a plateia montada pela prefeitura, reagindo com entusiasmo às bem-humoradas e informativas intervenções do maestro Luis Gustavo Petri.

O mesmo entusiasmo tomou conta do Anhangabaú após o concerto, com a chegada do piano voador, elevado sobre a praça por um guindaste. Na sequência, a dança faz sua estreia na Virada com o Balé da Cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.