Americano Devendra canta Caetano no TIM Festival

"Tem algo de Jesus Cristo nele, cara! Não digo isso só por causa do cabelo e da barba, mas também no jeito como ele se expressa. Ele é maravilhoso." Essa foi uma declaração apaixonada de um jovem irlandês devoto do longilíneo e cabeludo Devendra Banhart durante show no festival Electric Picnic, no interior da Irlanda, mês passado. O músico vem ao Brasil pela primeira vez para tocar no TIM Festival, dia 27 no Rio e 29 em Vitória. São Paulo, infelizmente, não poderá conferir sua memorável performance (veja quadro ao lado). Não apenas suas músicas parecem encantar. Sua imagem hipnotizante parece ter sido congelada lá pelo fim dos anos 60, quando a moda era calça boca-de-sino e o lema, "não faça guerra, faça amor".O túnel do tempo de onde ele saiu também parece ter prejudicado a sua noção... de tempo. "Não me pergunte quando aconteceu isso ou aquilo. Para mim, pode ter sido há alguns dias, como há vários anos", responde o texano. A sensação do neofolk conhece de tudo um pouco sobre a música brasileira - tem como bíblia o Manifesto Antropofágico, de Oswald de Andrade, e diz se inspirar no tropicalismo.Sobre sua participação no show dos Mutantes em Londres, no dia 22 de maio, diz ter curtido demais. "O Sérgio (Dias) é um dos melhores intérpretes do mundo, extremamente preciso, delicado, carrega muita poesia no que faz", opina Banhart, que passou 10 anos de sua vida (dos 3 aos 13 anos) em Caracas, na Venezuela. Também se declarou como o mais novo fã de Zélia Duncan, que ocupou o lugar que já foi de Rita Lee na nova formação. "Ela é maravilhosa, uma pessoa muito viva."O show do americano, que tem no currículo quatro álbuns, entre eles o elogiado Niño Rojo (2004), promete surpresas, pois é avesso a ensaios. No avião a caminho da Irlanda, por exemplo, fez amizade com uma companhia teatral da Califórnia e acabou convidando-a para uma participação especial em seu show. Esse encontro fez um grande sucesso, mas não conseguiu superar o momento em que Banhart cantou Lost in the Paradise, do Caetano. Sua voz é incrivelmente sublime. A repórter viajou a convite da produção do TIM FestivalTIM Festival. Auditório Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n.º, Ibirapuera. De 27 a 29/10, 20h30. R$ 160. Tom Brasil. R. Bragança Paulista, 1.281. Dia 29/10, 18 h. R$ 180. Ingressos: 6846-6000 ou www.ticketmaster.com.br

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.