American Music Awards consagra a nova onda black

Foi a noite da nova geração da músicablack norte-americana, em especial a ala feminina. Alicia Keysse confirmou como uma das mais importantes novidades do mercado,Destiny´s Child colheu os louros de meses de pernasà mostra, e Aaliyah ganhou reconhecimento póstumo no AmericanMusic Awards. O segundo prêmio mais importante da música dosEstados Unidos, realizado ontem em Los Angeles, teve ainda maisum fiasco de Michael Jackson: o pop star, que recebeu o prêmiode artista do século, proibiu na última hora a exibição de umclipe que havia produzido para o evento.Diferente do Grammy, cujos resultados são obtidos por meio devotos dos membros da Academia de Artes e Ciências Fonográficas,o AMA usa um júri de 20 mil pessoas para medir a popularidade deartistas e discos. Assim, há menos surpresas nos resultados, querefletem a movimentação das paradas do país no ano anterior.Alicia Keys, que já teve mais de 4 milhões de unidadesvendidas de seu disco de estréia, Songs in A Minor, ficoucom as estatuetas de melhor artista novo de soul/r&b e pop/rock."Este foi um ano inacreditável para mim", disse a cantora ecompositora de 19 anos. As meninas do Destiny´s Child levaram osprêmios de melhor banda de soul/r&b e álbum de pop/rock, pelomegahit Survivor.Aaliyah, que morreu em um acidente de avião ao deixar asBahamas, em agosto, prova que era um dos nomes mais promissoresdo r&b americano. Ela venceu nas categorias de melhor disco desoul/r&b e artista feminina de r&b. A cantora deve chegar aoprimeiro lugar da parada inglesa esta semana com o single MoreThan a Woman.Com apresentações ao vivo de Britney Spears, Cher e LennyKravitz, entre outros, o AMA também premiou Sade (melhor artistade pop contemporâneo), Enrique Iglesias (melhor artista latino),Janet Jackson (melhor artista feminina de pop/rock) e o ´N Sync(melhor grupo pop), que levou uma vaia da platéia por derrotaros favoritos da categoria, os irlandeses do U2. Ao subir nopalco, o líder do grupo, Justin Timberlake, disse: "Parem devaiar, o U2 vai ganhar Grammys!" A banda de Bono está indicadaa oito Grammys.Geladeira - Mas o vexame da noite ficou por conta de Michael Jackson.Ele havia cancelado sua performance para evitar a suposta "geladeira" a que são condenados pelo Grammy, principal prêmio da indústria fonográfica, os artistas que se apresentam no AMA. Depois voltou atrás. Para contentar as organizações dos dois prêmios, prometeu mostrar no AMA uma "performance recente", em vídeo. De acordo com váriosenvolvidos, ele havia produzido um clipe de Man in theMirror, de 1988, com cenas rodadas no concerto beneficenteUnited We Stand, realizado em Washington em outubro. Pouco antes do início da cerimônia, a assessoria do pop star resolveu proibir a exibição do material. Antes de subir ao palcopara receber o prêmio de artista do século, foram mostradasapenas imagens antigas dos melhores momentos da carreira doastro. O público teve uma recepção calorosa ao cantor, mas abriga deve render muito nos tribunais: a organização do AMAentrou com um processo de US$ 10 milhões contra a Academia deArtes e Ciências Fonográficas. O organizador do evento, olendário apresentador de TV Dick Clark, prometeu legar a briga "até o fim".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.