Alisson Demetrio/Divulgação
Alisson Demetrio/Divulgação

Alok é o primeiro brasileiro a ultrapassar as 100 milhões de audições no Spotify com ‘Hear Me Now’

Faixa, parceria com Bruno Martini e participação de Zeeba, foi lançada em 21 de outubro de 2016 pelo selo holandês Spinnin' Records

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2017 | 09h00

Há pelo menos dois anos, Alok já era uma bola cantada. O produtor goiano passou a ser figurinha constante em festas e casas noturnas nas cidades mais badaladas do mundo. Aposta do Spotify, serviço de música por streaming, o Alok se tornou o primeiro brasileiro a ultrapassar o número de 100 milhões de audições na plataforma. 

O recorde, bastante expressivo para um artista nacional em um serviço global com sede (até agora) na Suécia, é a conclusão da ascensão de Alok que já vinha sido cantada há tempos. Em 2015, a revista a DJ Magazine já elegia ele o melhor DJ brasileiro ao colocá-lo como o 41º melhor do mundo – e o brasileiro mais bem posicionado.  Em junho, ele galgou mais algumas posições e ocupou o  25º lugar na mesma DJ Mag. 

O recorde quebrado no Spotify é relevante para o jovem músico de 25 anos. E mostra como uma plataforma, hoje, pode de certa maneira exercer a função de uma gravadora até os anos 1990. O Spotify revelou ao Estado, com exclusividade, a trajetória da música no serviço. 

Em outubro, Alok tinha 650 mil ouvintes mensais – e lembre-se desse número. No mês seguinte, Hear Me Now, já lançada,  foi adicionada em playlists de música eletrônica, como Eletro BR e Pop Brasil. 

Em dezembro, já eram mais de 7 milhões de ouvintes mensais, assim como a música chegava a ser incluída em mais playlists do Spotify. Neste mesmo mês, o DJ já era um dos 500 artistas mais ouvidos do mundo. Em meados de fevereiro, Alok tem 13,5  milhões ouvintes mensais (lembra-se dos 650 mil de outubro, não é?) e a sua música ultrapassou a marca dos 100 milhões de audições. 

Ouça 'Hear Me Now': 

 

Mais conteúdo sobre:
AlokSpotifySuéciaDJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.