Alicia Keys quer botar fogo no Rock in Rio Lisboa

Há três anos, ela surgia como a nova rainha do R&B. Com o disco Songs In A Minor, de 2001, ganhou 5 prêmios Grammy e foi cortejada por todo o mundo da música black. Detalhe: ela só tinha 21 anos. Agora, Alicia Keys está de volta com um disco que não teve a mesma acolhida crítica, Diary of Alicia Keys (BMG). E se prepara para enfrentar um público de 100 mil pessoas no palco principal do Rock in Rio Lisboa, no dia 6 de junho, último dia do festival. "Se estou preparada para isso? Eu nasci preparada. Não vejo a hora de subir ao palco. Vou cantar como se fosse a última vez. Pode avisar o público: vai ser uma noite quente", garantiu Alicia, falando na quinta-feira passada por telefone ao Estado. Ela estava em via de se apresentar com o lendário expatriado cubano Arturo Sandoval na entrega dos prêmios da Billboard. Alicia também esteve em turnê, entre março e abril, com dois outros fenômenos do showbiz: Beyoncé Knowles e Missy Elliott. Juntas, as três colecionam 11 prêmios Grammy (cinco de Alicia, cinco de Beyoncé e um de Missy Elliott). "Há grandes similaridades entre nós. Primeiro, porque somos todas mulheres que produzem seus próprios discos. Segundo, porque conhecemos a música black. Também é legal juntar as diferenças. Eu sou mais soul, Beyoncé é mais pop, Missy é mais hip hop. O resultado é uma boa mistura", considera. Alicia Keys, que também toca piano, demonstra realmente conhecer a old school da música negra americana, principalmente o soul e o funk. No primeiro disco, Songs in A Minor, essa reverência dela para o o R&B da velha guarda transparecia claramente. Nesse novo álbum, ela mantém a disposição. Gravou If I Was Your Woman, de Gladys Knight, sob um sample de Walk on By, de Isaac Hayes. Há suaves inflexões à Marvin Gaye em suas interpretações, e mesmo Aretha Franklin não é tão distante de seu estilo. Alicia nasceu e cresceu em Manhattan, e começou a estudar piano aos 5 anos. Aos 14 anos, já compunha suas primeiras canções. Começou a fazer faculdade, na Columbia University, onde entrou precocemente, mas abandonou tudo pela música logo depois. Além dos 5 Grammy, Songs in A Minor, lançado em 2001, também mereceu dois Billboard Awards, dois American Music Awards, um VH-1 Award e um MTV Video Music Award. Embora malhado duramente pela crítica, The Diary Of Alicia Keys, o sucessor de Songs in A Minor, estreou em primeiro lugar nas paradas no ano passado, vendendo 600 mil cópias nos Estados Unidos e mais de 2,5 milhões de unidades no mundo inteiro somente na primeira semana nas lojas. "Não, eu não me senti oprimida por aquele sucesso. Na verdade, naquela noite em que recebi os prêmios Grammy, eu realmente não esperava por aquilo. Foi uma surpresa e uma grande honra".Para o show no Rock in Rio Lisboa, ela conta que já está trabalhando em algo especial para mostrar aos fãs na noite de encerramento do festival, no Parque da Bela Vista, em Lisboa. "Cada show meu tem um conceito diferente, tem coisas especiais. Quero que este tenha muito ritmo e balanço", avisa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.