Alceu Valença lança CD, DVD e prepara filme

O cantor e compositor Alceu Valença tem mais coletâneas do que realmente gostaria de ter. Mesmo porque grande parte delas, segundo o cantor pernambucano, não leva sua marca. "Existem muitas coletâneas minhas e, para elas, eu não sou consultado", reclama ele. "Então, misturam alhos com bugalhos." A resposta do compositor é seu novo CD e DVD, Alceu Valença - Ao Vivo em Todos os Sentidos, lançado pela Indie Records.O álbum é uma espécie de coletânea autorizada. Afinal, foi Alceu quem escolheu cada uma das canções, que contemplam todas as facetas de seus 30 anos de estrada. Ou melhor, quase todas. O forró ficou de fora, apesar de o gênero já ter sido amplamente explorado em recentes CDs do cantor: Forró de Todos os Tempos (1998), Sertanejo e Forró (98) e Forró Lunar (2001). "Eu nunca tinha feito um disco que tivesse todas essas matrizes: músicas que são uma fusão com o rock, com o blues; canções urbanas, que falam sobre cidade grande; o maracatu; os frevos com orquestra", comenta. "Neste disco, apesar dessa diversidade de composições, timbres e maneiras de cantar, existe uma conexão de uma música para outra. Existe um sentido harmônico no geral." É o que o compositor gostaria que outras coletâneas suas, as não autorizadas, tivessem.Filme - Não é o primeiro álbum ao vivo com a marca Alceu Valença, mas é o primeiro DVD, com cenas de bastidores, faixas bônus e todos os outros extras que tem direito. A idéia do DVD veio primeiro que o álbum homônimo. Certo dia, o presidente da Indie Records, Liber Gadelha, resolveu procurar Alceu Valença, após vê-lo destilar sua irreverência num programa de televisão. Gadelha ficou sabendo também que o músico arrastava multidões para seus shows, inclusive muita gente jovem. Propôs então um registro de seu show, assumindo todos os riscos e prejuízos caso o músico não gostasse do resultado. "Ele me deu as condições todinhas para gravar o CD e o DVD. Achei que DVD não ia dar tempo", diz Alceu. Não houve ensaios, nem platéia especialmente convidada para a ocasião. "Mas na hora H saiu o DVD. Quem esteve na Fundição viu: gravamos direto, uma loucura total." Além do projeto ao vivo, Alceu tem em contrato com a Indie mais um CD, desta vez de inéditas, para o qual o compositor diz já ter músicas prontas.Agora, com este trabalho ao vivo, Alceu se prepara para a turnê com o novo formato de show. Além disso, o músico aguarda ansiosamente a resposta do Ministério da Cultura. Explica-se: Alceu enviou ao MinC o roteiro de um filme, escrito por ele, todo em verso e com diálogos rimados, com o título de Cordel Virtual. Caso seja aprovado, ele poderá começar a captar recursos por meio de leis de incentivo. "É um musical, tem uma história ficcional. Tem um artista, que pode ser eu ou não", diz Alceu, que prefere não dar mais detalhes sobre o assunto. Pelo menos, não por enquanto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.