Alceu Valença lança álbum "Na Embolada do Tempo"

O cantor e compositor pernambucano Alceu Valença pegou o tempo e o transformou em fio condutor conceitual do novo CD, Na Embolada do Tempo (Indie Records), e de seu filme, Cordel Virtual, cuja direção dividirá com o cineasta Walter Carvalho. Na verdade, foi o tempo no filme que despertou Alceu para o tempo nesse seu álbum de inéditas, o 26.º da carreira. Quase todas as composições levam sua assinatura, com exceção de Romance da Moreninha, uma parceria com Emmanoel Cavalcanti, e do frevo Vampira, de J. Michiles. No disco, o tema aparece abordado explicitamente, como na faixa-título - com arranjos de instrumentos acústicos, berimbaus, programações e uma participação do filho Rafael, de 3 anos, nos vocais: "Você quer parar o tempo/ E o tempo não tem parada." Ou na canção No Tempo Que me Querias: "Em maio eu montava um cavalo/ Chamado de Ventania/ Lembrei olhando o calendário/ Do tempo que me querias." Mas o tempo surge também de maneira sutil, subliminar, afetiva, consciente e até inconsciente. Cada ritmo, cada letra, cada lugar citado remete à sua história, ao seu passado e, sobretudo, à fase que ele considera como a primeira, a da infância, fase determinante para a sua formação de músico. O compositor desenvolveu-se num meio efervescente culturalmente, com influências ainda do avô, cordelista, e dos programas de rádio. "Tudo aquilo era lúdico em termos de música, eu não via a música como objetivo. O aparelho de 78 rotações do meu avô, para mim, era um brinquedo", recorda. "Ouvia de tudo: embolador, cego de feira, as toadas seculares. São referências primais, anteriores a Luís Gonzaga." Por isso, o CD Na Embolada do Tempo não poderia ser configurado de outra maneira senão por maracatus, frevos, sambas, toadas e outros ritmos. Alceu canta ainda Olinda, em Dona de 7 Colinas, e Rio, em Ai de Ti Copacabana, uma característica que já virou constante em sua discografia - a de homenagear cidades queridas, por onde já passou, viveu ou ainda vive. Noite Vazia é a composição mais antiga do CD, composta antes mesmo do primeiro disco, gravado com Geraldo Azevedo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.