Air volta misturando Pink Floyd e Beck

Uma das mais influentes bandas francesas dos últimos anos está de volta para mostrar que o casamento da sonoridade retrô com a eletrônica ainda tem caminhos a ser explorados. O Air acaba de lançar 10.000 Hz. Legend, trabalho que dá continuidade às explorações sombrias da trilha sonora de As Virgens Suicidas, de 1999, e que traz a colaboração de Beck em duas faixas.Formado por Jean-Benoit Dunckel e Nicolas Godin, o Air estourou em todo o mundo em 1998 com o hit Sexy Boy, do disco Moon Safari, que definiu o padrão da sonoridade cool do fim dos anos 90, misturando elementos de lounge music e trilhas sonoras de filmes dos anos 60 com o psicodelismo de sintetizadores dos anos 70. O trabalho da banda não só abriu o mercado para uma série de grupos de música eletrônica lenta (downtempo), mas também influenciou grandes nomes do pop, como Madonna (em Nobody Is Perfect e Paradise (Not For Me), do disco Music).Consagrados como os inventores do novo experimentalismo francês, Dunckel e Godin resolveram deixar um pouco de lado a veia pop de Moon Safari e partir para territórios mais sombrios. "Queríamos sujar um pouco a nossa sonoridade", justificou Dunckel em uma entrevista à MTV americana. "Às vezes nossas músicas são muito bonitinhas e é preciso sujar um pouco com elementos esquisitos para aumentar o poder."Com mais acesso à tecnologia, o Air aproveitou para fazer um disco mais produzido, com uma sonoridade menos low-tech e, curiosamente, menos feliz. Gravado entre Paris e Los Angeles, o álbum tem ótimas orquestrações, eficientes misturas de baterias eletrônicas com violões acústicos e muitas camadas de sintetizadores. Novamente a dupla economiza nos vocais, mas eles aparecem mais distorcidos.Em 10.000 Hz é possível perceber a presença de referências ao rock progressivo, com guitarras que remetem a Pink Floyd em algumas faixas; de eletro dos anos 80; das elaboradas orquestrações de Björk e das batidas soturnas do Massive Attack nos anos 90; e do country experimental de Beck. O cantor, que já havia produzido um remix de Sexy Boy, canta em Vagabond (em que faz vocais em falsete, tipo Prince) e recita uma poesia abstrata em Don´t Be Light.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.