Advogados vão insistir na permanência de Gloria Trevi no País

Independente da decisão do Conselho Nacional de Refugiados (Conare), os advogados da cantoramexicana Glória Trevi já estão decididos a brigar para mantê-la no Brasil. O Conare começou hoje a discutir o pedido de refúgio da cantora, mas deve mesmo apoiar a extradição de Gloria solicitada pela Justiça mexicana. Se confirmada essa expectativa a extradição deverá ocorrer em meados de 2002 por causa dos recursos dos advogados contra qualquer resolução desfavorável àcliente.O advogado da cantora - que está presa no Núcleo eCustódia da Penitenciária de Brasília - Otávio Bezerra Neves, foi ouvido hoje pela primeira vez desde que foi instaurado o processo de análise do pedido de status de refugiada de Glória Trevi. Ele levou novos dados ao Conare para tentar provar que a artista corre risco de vida no México. Neves citou políticos do departamento de Chiuauhia, que teriam interesse em que asacusações contra ela não fossem investigadas. "Se ela provar sua inocência, pode acabar com alguns políticos locais", diz o advogado.O advogado admite que a cantora irá recorrer novamente ao Supremo Tribunal Federal (STF) - que já concedeu a extradição da cantora, requerida pelas autoridades mexicanas - para tentaranular uma decisão desfavorável do Conare. Além disso, Glória Trevi não pode viajar até o terceiro mês depois do nascimento da criança, o que levaria em torno de seis meses, levando-se emconta que a artista está a três meses do parto. Com isso, se ela for mesmo para o México, isso acontecerá apenas em junho do próximo ano.Hoje, o ministro da Justiça, José Gregori, confirmou que as autoridades mexicanas estão fazendo gestões junto ao governo brasileiro pela extradição de Glória Trevi. Gregori admitiu quea decisão do STF em autorizar a ida da cantora para seu país pode refletir entre os conselheiros do Conare.

Agencia Estado,

31 de outubro de 2001 | 19h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.