Acusado de assédio, diretor do Grammy renuncia

O poderoso-chefão do Grammy, Michael Greene, renunciou de maneira inesperada neste domingo. A decisão foitomada no dia seguinte a uma reunião de emergência da NationalAcademy of Recording Arts and Sciences, que promove oprêmio. O motivo: Greene vinha sendo investigado por assédio sexual, conforme o jornal Los Angeles Times.Conforme o comunicado distribuído ontem, as investigações não comprovaram nada. Mas a nota também não traz os motivos de sua renúncia. Greene ainda tinha três anos em seu contrato de US$ 2 milhões de salárioanual, mais uma série de "extras". Ele era considerado oexecutivo americano mais bem pago de uma instituição sem finslucrativos.Green assumiu a direção do prêmio em 1988. Foi responsável por transformar o Grammy, antes um ritual própria da indústria fonográfica, num evento importante na agenda das estrelas e numa festa concorrida na televisão. Ele vai receber US$ 8 milhões de indenização por deixar o cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.