Acusação diz que Jackson está à beira da falência

Os advogados de acusação, que querem a quebra do sigilo bancário de Michael Jackson, disseram hoje ao juiz do caso em que o cantor é acusado de abuso sexual de um menor que o astro "está à beira da falência". O promotor Gordon Auchincloss disse durante a audiência que a acusação acredita que os problemas financeiros podem ter motivado Jackson a participar da suposta conspiração para manter a família do acusador presa e tentar fazê-los ajudar na reconstrução de sua imagem pública.O juiz da Corte Superior Rodney S. Melville decidiu hoje que o apresentador do Tonight Show, Jay Leno, poderá fazer piadas sobre Jackson em seus monólogos, apesar da ordem de silêncio imposta às testemunhas. Respondendo a um pedido do advogado de Leno, que citou o direito constitucional à liberdade de expressão, Melville esclareceu que Leno somente não pode falar sobre aquilo que disser em seu testemunho, caso chamado a depôr.A acusação acredita que Jackson tenha uma dívida de US$ 300 milhões e que seus problemas financeiros "desabarão em dezembro de 2005", disse Auchincloss. "Tudo o que queremos é uma pequena olhada na situação financeira do acusado", ele disse. A defesa está se recusando a aceitar o pedido. O advogado de Jackson, Robert Sanger, considera o assunto "irrelevante". Melville dedicou a sexta-feira para ouvir petições. Os depoimentos serão retomados na segunda-feira. Ontem, Jackson irritou o juiz ao chegar com mais de uma hora de atraso ao tribunal, vestindo pijamas chinelos. Segundo os advogados do cantor, ele se atrasou por problemas de saúde. Melville chegou a decretar a prisão do cantor, caso ele não comparecesse. Ainda ontem, o menino de 15 anos que acusa Jackson de abuso sexual descreveu os supostos abusos que sofreu. Ele voltará a depôr na segunda-feira.

Agencia Estado,

11 de março de 2005 | 17h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.