Ação quer barrar show do Pearl Jam no Pacaembu

A Prefeitura de São Paulo confirmou hoje a liberação do Estádio do Pacaembu para o show da banda americana Pearl Jam, mas uma ação na Justiça pode barrar a apresentação, marcada para 2 e 3 de dezembro. O advogado Rubens Muscatti, representante dos moradores do bairro Pacaembu, aguarda a concessão de liminar a uma ação civil pública na 7.ª Vara da Fazenda Pública pedindo a suspensão do evento. "Fui pego de surpresa pelo noticiário sobre a realização do show após o prefeito José Serra ter prometido duas vezes que esse tipo de evento não aconteceria mais no estádio", afirmou. "O evento vai ocorrer sob regras rígidas, estipuladas em contrato, tanto para o promotor quanto para a Prefeitura, de forma a corrigir desmandos e abusos que causavam transtornos aos moradores", disse o presidente da São Paulo Turismo (SPTuris), Caio de Carvalho. Há seis meses, Muscatti ingressou com a ação na Justiça contra a Prefeitura, baseado no termo de doação de 1939 feito pela Cia. City Imobiliária, que cedeu o terreno para a construção de um estádio com finalidade esportiva e cívica. A presidente do conselho deliberativo da Associação Viva Pacaembu por São Paulo, Iênidis Benfati, afirmou estar "indignada" com a Prefeitura. "Foram criadas regras para permitir o descumprimento da lei, que proíbe esse tipo de evento." Segundo Carvalho, a decisão de permitir a apresentação foi para atender ao apelo de milhares de fãs da banda, que nunca esteve no Brasil. Para Iênidis, a escolha do Pacaembu atende a interesses do promotor do evento. "Na Arena Skol, só poderiam ser vendidos 30 mil ingressos. No Pacaembu, são 45 mil." Adriana Braga, que mora ao lado da Praça Charles Miller, não acredita que as normas rígidas serão cumpridas. "O primeiro desrespeito é o barulho do som, que vai ultrapassar os 45 decibéis permitidos para a região." Entre as normas estabelecidas para a realização do show estão a proibição de estacionar carros ou ônibus no entorno do estádio, a obrigação de os organizadores pagarem pela sinalização e organização do trânsito feitos pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e de limpar o estádio. A passagem de som só poderá ser feita entre 14 horas e 15h30, por no máximo 30 minutos. O show deverá ter início às 19h30 e terminar, no máximo, às 21h45.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.