Abril Pro Rock chega a São Paulo

O principal festival nacional de rock independente, o Abril pro Rock, chega à 9.ª edição com uma nova ousadia. Além de ocorrer tradicionalmente no Recife, ele terá uma versão mais condensada na capital, no Sesc Pompéia. O desafio será manter o charme alternativo do evento que, em São Paulo, realiza-se entre os dias 27 e 29.O Abril pro Rock já foi apropriado pelo universo da cultura pop brasileira e segue um caminho evolutivo. "Há muitos anos tenho essa intenção de levar o Abril pro Rock a São Paulo.", afirma Paulo André, o inventor do festival. "Mas não o fiz antes por ter os pés no chão pois tenho de levar em conta que o festival se banca no decorrer da sua realização, com a bilheteria", diz. "O festival, assim como a cena musical pernambucana, foi amadurecendo nestes anos. Ele cresceu com ela e formou um público atento a essa música. Acho que aí ele vai ampliar mais ainda e pode também se tornar uma tradição.", defende. Para ele, apesar do reconhecimento do Abril pro Rock, há pouco apoio local. "As rádios não tocam a música independente, nem o rock nem as criações baseadas na cultura popular. Por isso, também, eu acredito que ele se mantém com esse caráter alternativo. Além do que, a decisão de quem toca no festival é minha. Aqui, gravadora não interfere em nada".Embora o Abril pro Rock tenha investido nestes anos em novas bandas, a maior parte desconhecida pelo grande público, a edição deste ano se destaca pela presença de quatro atrações internacionais: Asian Dub Foundation, Amon Tobin, The Queers e Jon Spencer Blues Explosion. "Só foi possível bancar os shows deles porque praticamente todos estão vindo também para outras apresentações, não apenas para o Abril." Outro fator para a escolha de nomes internacionais é a preocupação do festival de não repetir programações. "Poderíamos ter chamado outras bandas nacionais, apesar de eu achar que o cenário não evoluiu muito, mas quase todo mundo que considero importante passou por aqui. Tem gente que não quero, como essa turma do pop rock, Jota Quest e companhia."No Recife, o festival ocorre nos dias 20, 21 e 22. Além dos internacionais, há muita novidade pela frente. O último dia reserva algo inusitado. O ex-Mutantes Arnaldo Baptista dará uma canja no show de Lobão e é até muito arriscado formular hipóteses do que pode acontecer. "O meu sonho seria reunir os Mutantes novamante, mas acho que é impossível. Estou completamente satisfeito de levar um dos meus ídolos para esta edição", diz Paulo André.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.