Divulgação
Divulgação

A voz encantatória de Nathalie Stutzmann

Na Sala São Paulo, contralto cantou divinamente ao lado do quarteto da Osesp

João Marcos Coelho - Especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

18 de novembro de 2013 | 20h31

A interpretação é a atualização sonora de uma obra musical escrita sob a forma de uma partitura, rezam os manuais escolásticos. Eles costumam acrescentar que o conceito de interpretação opõe-se ao de improvisação. Certo? Nem sempre. A partitura não é tudo. Há sempre espaço para o improviso. Mas há momentos nos quais toma conta da cena a atmosfera de improviso, um certo ar de que a música está se criando e toma forma ali, no instante em que a assistimos. É raro, raríssimo, mas acontece, mesmo quando sabemos que se trata de música escrita na pauta e em que há só um diminuto espaço para pequenos improvisos na ornamentação, por exemplo.

É o que provou com genialidade a contralto francesa Nathalie Stutzmann no final da tarde de domingo, na Sala São Paulo, em trechos de óperas de Antonio Vivaldi. Ela bateu o suingante gingado barroco com o pé, regeu os seis músicos – o quarteto de cordas e o contrabaixista Alexandre Rosa, da Osesp, e o cravista Alessandro Santoro – e cantou divinamente.

Regeu talvez não seja a palavra certa. Já quando entrou caminhando no palco e os músicos tocavam a introdução instrumental do Ritornello da ópera Il Giustino, de Vivaldi, aconteceu uma transfiguração do espaço, dos sons e até em nós, espectadores. Foi uma “trip” sonora e visual encantatória: mergulhamos todos no frenesi do barroco, transportamo-nos para o Teatro Sant’Angelo em Veneza no século 18. De repente, os happenings delirantes magistralmente descritos por Alejo Carpentier em seu maravilhoso Sagração da Primavera aconteceram ali, diante de nossos olhos e ouvidos.

O timbre poderoso e escuro, porém aveludado, dos graves; o brilho intenso dos agudos – tudo isso está presente na magnífica voz de Nathalie. Domínio, que se completou com os músicos que a rodearam. Cada frase com uma dinâmica específica esculpida no ar por sua voz; uma dinâmica que se espalhava via suas mãos e o corpo para os músicos; estes, em transe, seguiam-na com uma precisão, urgência e comprometimentos raramente vistos naquela Sala.

O concerto, aliás, já começou em temperatura elevada. O quarteto Osesp amadurece a olhos vistos. A integração entre Baldini, Graton, Pas e Gramsch é excepcional. Eles foram muito bem no quarteto de cordas de Verdi. Obra que reflete todo o saber de uma maturidade gloriosa do mestre lírico – a de quem sabe que o bonito também pode ser sedutoramente simples.

Mas só com Nathalie no palco é que se deu a transfiguração. Aquela que só os artistas de exceção conseguem imprimir a quem compartilha o palco com eles. Nathalie iluminou-nos a todos, músicos e público, por 25 minutos, em duas entradas.

Totalmente dispensável o truque de enxertar dois trechos do quarteto de cordas no. 3 de Philip Glass com os Vivaldi de Nathalie. Glass ficou ainda mais chato do que já é.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.