A voz e o violão de Lucas Santtana, sem amarras

Compositor apresenta seu quarto disco no Sesc Pompeia, aproveitando riqueza da internet

Lucas Nobile, de O Estado de S. Paulo,

04 de setembro de 2009 | 09h11

A obra do cantor, compositor e instrumentista Lucas Santtana é um moto-contínuo aberto a atualizações e interpretações infinitas. Com esse espírito de interação com o público - hoje em dia, em tempo real, graças ao amplo leque de possibilidades providas pela internet -, o músico lança seu quarto CD, Sem Nostalgia, nesta sexta-feira, 4, no Sesc Pompeia.

 

O título do disco, extraído de uma das faixas ("Sem ilusão, sem nostalgia, só o querer que acende!"), além de fazer uma brincadeira com o formato voz e violão, é um alerta de Lucas Santtana de que é possível fazer música boa, bebendo nas fontes do passado, mas sem olhar para trás com amarras e saudosismo. É uma espécie de abaixo-assinado dos incansáveis - e coerentes - pedidos de Hermeto Pascoal para que as novas gerações interpretem as músicas de gênios do passado, como Mozart e Pixinguinha, com arranjos atuais. "Não faria o menor sentido eu gravar meu disco com voz e violão, formato em que ele foi feito, nos mesmos moldes de Gil e Caymmi. A gente vive uma época rica, com possibilidades incríveis. Não tem por que ficar preso ao passado", diz Santtana.

 

Mergulhado na era da superinformação, o compositor observa hoje um avanço e uma influência significativos na relação entre criação artística e mundo virtual. Ele conta que mal tinha acabado de lançar seu último disco, e um rapaz de São Carlos, no interior de São Paulo, enviou-lhe um remix que havia feito de uma música de seu penúltimo CD, 3 Sessions in a Greenhouse. Coerente com o discurso do autor, Sem Nostalgia está disponível na internet, no www.diginois.com.br, site do compositor criado em 2006, pelo qual o público pode ouvir os discos, baixá-los e remixá-los da maneira que bem entender. "Eu acho fundamental esse diálogo. Cada vez que alguém faz um remix, o disco renasce, ele está sempre vivo. Eu mesmo sempre curti baixar música de outros artistas, recortar e colar algumas partes, queria que os outros pudessem fazer isso com minha obra também. A internet quebra essas barreiras. O computador não é uma televisão com a qual você interage passivamente", comenta o compositor.

 

No show, que contará com participações de Curumim, Buguinha Dub e Gil Monte, o cantor e a banda Seleção Natural apresentarão as sete primeiras músicas de Sem Nostalgia, seis do CD anterior e a inédita Rua 23, parceria dele com Arnaldo Antunes.

 

Até o fim do ano o músico já tem 15 shows marcados. Depois de São Paulo a turnê segue para o Rio de Janeiro (Teatro Odisseia, na Lapa) e Salvador (Boomerangue, no Rio Vermelho). Em outubro, antes de retornar para a capital paulista, o show do quarto álbum do compositor, cujas faixas foram comparadas com Pink Floyd, Radiohead e com o disco gravado por Gilberto Gil, em Londres, na década de 1970, segue para Buenos Aires. "Quando a gente ouve uma música, naturalmente projeta referências do passado. Essas comparações não me incomodam, acho isso saudável", diz Santtana.

 

Lucas Santtana

Onde: Sesc Pompeia. Choperia (800 lug.). Rua Clélia, 93, 3871-7700

Quando: Sexta-feira, 4, às 21 horas

Quanto: R$ 16

Tudo o que sabemos sobre:
músicashowSescLucas Santanna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.