A segunda encarnação do Black Sabbath

Com Tony Iommi na guitarra e Dio no vocal, Heaven & Hell toca músicas do período menos conhecido

Marco Bezzi, O Estado de S. Paulo

06 de maio de 2009 | 09h22

O heavy metal nasceu por acidente. Aos 17 anos, Frank Anthony "Tony" Iommi dava duro em Birmingham, cidade industrial da Inglaterra. Um acidente de trabalho decepou a ponta de dois dedos da sua mão direita. Para um guitarrista canhoto seria o fim, para Iommi o início do heavy metal. Ouvindo Django Reinhardt e Shadows, o músico criou os riffs que ficaram para a posteridade.

Quarenta anos depois, Iommi retorna ao Brasil com o Heaven & Hell, segunda encarnação do Black Sabbath, com Dio nos vocais, Geezer Butler no baixo e Vinny Appice na bateria. O inventor do metal não tocará as músicas que ascenderam o grupo nascido com Ozzy Osbourne como Iron Man ou War Pigs. O repertório dos dois shows no Credicard Hall (Av. das Nações Unidas, 17.955, tel. 2846-6010), dias 15 e 16, será calcado nos quatro discos que Dio gravou com a banda: Heaven & Hell (1980), Mob Rules (1981), Dehumanizer (1992) e The Devil You Know (lançado na semana passada).

Por telefone, Tony Iommi (ou Mr. Ben Bentley, nome com o qual estava registrado no hotel em Los Angeles) falou com o Estado sobre a nova turnê e o passado de glórias e decepções. "Temos álbuns suficientes para realizarmos um grande show desse período com o Ronnie (James Dio). Eu e Geezer estávamos tocando com o Ozzy antes de nos juntarmos a Dio. É um desafio bacana, especialmente se você pensar que estou saindo em turnê com um nome diferente após 40 anos." Iommi diz que é dono do nome Black Sabbath, mas que poderia ter problemas com Sharon Osbourne (mulher de Ozzy) caso usasse a alcunha para esta formação. "É também mais honesto com os fãs, pois esse show é do período com o Ronnie."

Segundo Iommi, Dio é um vocalista de verdade, tem um lado operístico forte. Já Ozzy é um gritador, um verdadeiro showman. "Os dois são excelentes, cada um com o seu estilo. Estou sempre falando com Ozzy por telefone. É provável que ainda voltemos a tocar juntos, mas não agora." Outra figura que o acompanha desde a década de 80 é o vocalista e guitarrista do Metallica James Hetfield, considerado por muitos a versão de Iommi dos anos 1980. "James é muito bom guitarrista, gosto dele, somos bons amigos. Assisti a um show do Metallica há um mês na Inglaterra e fui convidado a tocar uma velha música do Sabbath (Hole in the Sky). Eles representam muito bem o metal. Fico feliz que existam e continuem tocando."

Sobre o gênero que inventou, Iommi diz que "estamos em uma época de fortalecimento do heavy metal". Para ele, os anos 1980 quase destruíram o estilo. "Muitas bandas queriam se aproveitar do nome heavy metal para fazer sucesso. Especialmente em Los Angeles, onde um bando de homens ficavam fazendo pose, se pintando. Aquilo foi muito nocivo."

Tudo o que sabemos sobre:
Black Sabbath

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.