Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

A música lírica de Cuba, na Sala São Paulo

Falar em música cubana faz pensar em chá-chá-chá, merengue, salsa, gente dançando ao som de big bands incendiárias. Bem mais comportado, com vozes educadas no Instituto Superior de Arte de Cuba, um coral com repertório erudito trai a tradição e se apresenta hoje e amanhã, a partir das 21h, na Sala São Paulo. O Coro de Câmara Exaudi, formado por doze cantores líricos que vivem em Havana, fará seu primeiro concerto no Brasil. Mendelssohn, Brahms, Rossini e Schumann fazem parte do programa. Exaudi quer dizer ouça em latim. Embora tenha sido formado há 15 anos por sua atual diretora, a soprano María Felícia Pérez, seu reconhecimento internacional é mais recente. Na semana passada, foi o grupo escolhido por Fidel Castro para fazer a recepção na hitórica visita do ex-presidente americano Jimmy Carter a Havana. As performances à capella são uma marca, embora os concertos camerísticos com acompanhamento os façam receber graciosas críticas da imprensa especializada. Em 2000, seu álbum Salmo das Américas, obra do compositor cubano José Maria Vitier, concorreu ao Grammy Latino na categoria música clássica. Com uma dezena de discos gravados, o coro de María Felícia sai pouco da Ilha. "São cerca de quatro ou cinco apresentações por ano fora de Cuba". Todos os integrantes são também professores em escolas de ensino primário e médio. "Nunca nos falta trabalho. Pelo contrário, podemos trabalhar em várias escolas e a procura por música é muito grande." Cuba tem um sistema de ensino musical considerado exemplar até por países do primeiro mundo. De acesso gratuito, a Escola Nacional de Arte, que completa seu 40º aniversário neste ano, é, para María Felícia, o segredo do sucesso. "O ensino musical na Ilha tem muito mais do que estes 40 anos. Mas foi com ela que o nível de músicos e instrumentistas, que fazem tanto trabalhos populares quanto eruditos, aumentou muito. O investimento no ensino foi importante para aprimorar a musicalidade de artistas que, até certa época, eram apenas intuitivos." O Coro Exaudi será a segunda atração da temporada 2002 do Mozarteum Brasileiro. Em junho, será trazida a Orquestra Sinfônica Nacional da Dinamarca, que também estará de passagem pela primeira vez no País, sendo regida por Gerd Albrecht e que terá como solista o violinista Frank Peter Zimmermann. No segundo semestre virão o grupo de metais alemão German Brass (em agosto), o Ballet do Teatro Municipal do Rio de Janeiro (setembro), e as orquestras sinfônicas de Heidelberg (setembro) e da Rádio de Hamburgo - NDR (em outubro). Serviço Coro de Câmara Exaudi. Hoje e amanhã, às 21h. Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, s/nº) Tel. para informações: 3815-6377. Ingressos: de R$ 40 a R$ 95.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.