Acervo Estadão
Acervo Estadão

'A minha história é secundária', diz o músico Geraldo Vandré

O recluso compositor, que acaba de ter sua história contada em 'Uma Canção Interrompida', fala ao 'Estado' sobre a biografia não autorizada

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

29 de maio de 2015 | 03h00

Geraldo Vandré atendeu o telefone. Ouviu a introdução do repórter em silêncio, perguntou seu sobrenome três vezes durante a conversa, mas falou.

Sabe que uma biografia foi lançada sobre o senhor?

Alguém me disse alguma coisa, mas não sei muito sobre isso.

O senhor não vai ler?

Vou, mas não tenho muita pressa. Estou no Rio e só vou para São Paulo em um mês.

O senhor entraria na Justiça contra o biógrafo?

Vou pensar. É algo que implica no direito da personalidade.

Da privacidade, o senhor quer dizer?

Não, da personalidade artística. É uma exploração indevida. Minha personalidade artística pertence a mim.

Mas o livro parece sério, apurado. E não está sendo vendido.

Mesmo assim, é uma exploração. Existe uma questão comercial aí.

Não acredita que o povo precisa conhecer sua história?

Minha história é secundária. E esse conceito de povo é muito genérico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.