Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

A guitarra se reinventa entre solos em extinção, ausência de guitar heroes e estratégias de venda

O que pode estar por trás da crise das maiores marcas mundiais do instrumento?

João Paulo Carvalho e Julio Maria, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2018 | 06h00

Quando as duas maiores fabricantes de guitarra do mundo, Fender e Gibson, abaixam o volume ao mesmo tempo, algo acontece além de distúrbios econômicos e coices cambiais. Fender e Gibson são os dois únicos casos de marcas a transpassar a condição de instrumentos musicais para se tornarem símbolos comportamentais de pelo menos cinco gerações. A Gibson, ativa por 124 anos, criou um exército de jovens inspirados pelas lágrimas de Lucille, nas mãos de BB King por 70 anos; ajudou a criar a linguagem para a guitarra no jazz com o modelo L5 de Wes Montgomery; fez o rock and roll sair da adolescência dando peso ao AC/DC, de Angus Young, e ao Led Zeppelin, de Jimmy Page; e seguiu sólida e robusta, mesmo barateando sua produção com madeiras inferiores, até produzir Slash nos anos 80, o último gigante da escola do hard rock.

A Fender veio em 1946 para rachar o planeta dos guitarristas em dois. Se a fúria da adolescência tinha a voz rascante da Gibson, a criação de Leo Fender trazia o timbre dos anjos, uma hipnotizante qualidade de som que, limpo ou distorcido, criaria novas linguagens nos solos de Eric Clapton, Jimi Hendrix, Mark Knopfler, David Gilmour, Rory Gallagher, Ritchie Blackmore, Jeff Beck, Tony Iommi, Stevie Ray Vaughan e Richie Sambora até produzir John Mayer em 1999, o último exemplar de um - sem julgamentos de valor, mas de abrangência - guitar Hero.

+++ Fabricante de guitarras Gibson declara falência

Os fatos mais recentes acendem o sinal. O comportamento dos roqueiros está em mutação? O protagonismo do instrumento vem sendo esvaziado? Onde foram parar os solos de guitarra depois de 2000? Antes, uma volta aos fatos: a Fender, para reagir, começou a enxugar sua linha de produtos, voltando a centrar a venda em modelos clássicos como a Tele e a Stratocaster. O caso da Gibson é mais sério. Assim que sentiu a queda, passou a diversificar os negócios e adquiriu empresas com dívidas complicadas. No início do mês, conheceu o fundo do poço. Depois de falar em falência, conseguiu um acordo para uma recuperação judicial que não pode ser chamado exatamente de alívio. Segundo o jornal Nashville Post, a dívida que está para vencer em agosto tem o valor de US$ 375 milhões. Pela primeira vez na história, a venda de violões ultrapassou a de guitarras nos Estados Unidos em 2017. Pela primeira vez na história, o rock perdeu em audiência para o rap também nos EUA. No Brasil, a Associação Nacional da Indústria da Música (Anafima) aponta em 78% a queda das importações de guitarras e contrabaixos entre 2012 e 2017.

E então, vamos às bandas: depois de cinco anos, a expectativa era grande para o lançamento do sexto disco de estúdio do Arctic Monkeys. Tranquility Base Hotel & Casino surgiu nesta sexta, 11, causando burburinho. As guitarras distorcidas, sempre presentes nos álbuns anteriores, deram lugar ao piano. A chamada ‘sujeira de garagem’, peculiar nos trabalhos de Alex Turner e trupe, incluindo no antecessor e bem-sucedido AM (2013), simplesmente desapareceu. Segundo as palavras do próprio Turner em entrevistas a veículos ingleses e norte-americanos, nada que saísse da guitarra o surpreendia mais. Mutação? Um novo estado de espírito? Ele não contou. Fato percebido é que o Arctic Monkeys abandonou as guitarras e seguiu por um caminho totalmente novo.

+++ Novo álbum do Arctic Monkeys agrada à crítica especializada, mas confunde muitos fãs

Se os Arctic Monkeys deram adeus às guitarras em sua nova temporada, os solos, essa artimanha já chamada de potência máxima do rock, saíram de moda há algum tempo. Na cena brasileira, poucas bandas - ou quase nenhuma - tentam se aventurar por eles. Os baianos do Maglore, donos de um dos melhores discos no ano passado, Todas as Bandeiras, são um bom exemplo. “A tecladeira explodiu nos anos 1980 e hoje está de volta. É só lembrar do Joy Division e das trocentas bandas que usavam sintetizadores para dizer que a guitarra, naquela época, estava em baixa com relação ao que era dez anos antes”, diz Teago Oliveira, 32, vocalista e guitarrista da banda. “Com um computador você faz hoje som de bateria, teclado, synths e ainda sampleia uma obra de Bach. Convenhamos, é bem melhor do que comprar uma guitarra”, afirma.

+++ Arctic Monkeys estabelece a conexão entre Lô Borges e Serge Gainsbourg em novo disco

A culpa, na análise de Tony Bellotto, é dos próprios guitarristas. Solos intermináveis, repetidos à exaustão, foram minando a resistência dos ouvintes até chegar ao ponto de desgaste, diz o guitarrista dos Titãs. “Lulu Santos me disse uma vez que os solos de guitarra são como o latim, uma língua morta. Acredito que esteticamente eles foram ficando uma amostra fria de talento. O solo exagerado se tornou uma coisa cafona, um exagero desnecessário.” Edgard Scandurra, guitarrista do Ira!, pensa de maneira semelhante. “O virtuosismo do solo, aquela coisa velocista, deixou tudo muito chato. Isso gerou uma outra linha dentro do rock, a linha de contemplação, admiração e que serve apenas para dizer como o cara é bom.”

A retração das guitarras não pode ser considerada um anúncio do apocalipse, dizem especialistas no setor. Outras crises passaram e elas continuaram nas vitrines, como lembra Marcos Brandão, gerente de vendas e marketing da importadora oficial da Fender no Brasil. “A crise da Gibson não pode ser confundida com a crise da guitarra. O problema ali foi por má administração”, ele diz, recordando que a Fender também conheceu seus piores dias nos anos 80, quando sentiu a chegada dos sintetizadores. “Isso fez com que a empresa pedisse concordata em 1986.” Sua visão é otimista. “A guitarra pode deixar de ser um símbolo para as novas gerações, mas jamais vai deixar de existir.”

Celio Ramos é diretor executivo na EM&T, a Escola de Música e Tecnologia, um dos centros de ensino referenciais em São Paulo. Ele diz que não houve queda de alunos de guitarra em sua empresa. “Mas a escola triplicou de tamanho de 1997 para cá. Era para termos uns três mil.” Ramos percebe três pontos que levam a uma mudança de comportamento. “A crise, que sempre torna a música um artigo supérfluo; o nível cultural dos jovens, que tem baixado nos últimos anos; e a troca de interesses dos instrumentos pela tecnologia.” O rock, antes uma música de massa, virou segmento. “O sertanejo cresceu por ter patrocínio e o gospel, por ter o palco das igrejas”, compara Ramos.

As lojas também adotaram estratégias para superar o momento. João Carlos Favato Junior, responsável pela Made In Brazil, a maior loja do País, diz que a empresa enxugou os produtos e centrou as atenções nas melhores marcas. “Não precisamos contar histórias para vender uma Fender, uma Gibson, uma Ibanez. Antes, eram muitas marcas.” Dentre seu conjunto de razões para uma timidez maior diante do instrumento, está um fator geracional: a fábrica dos guitar heroes foi desativada por volta do começo dos anos 2000. “John Mayer foi o último deles”, diz, citando o popstar que lançou seu primeiro disco em 1999. Entre educadores, também existe a percepção de uma certa mudança de foco dos mais jovens. O guitarrista e professor Demma K diz o seguinte: “Os adolescentes tinham antes de mergulhar em uma piscina de 30 metros de profundidade para voltar com algum conhecimento. Hoje, muitos querem sair tocando depois de nadar em um pires”.

ENTREVISTA - Flavio Giannini, REPRESENTANTE DA EMPRESA

'Estamos perdendo consumidores', diz diretor comercial da Giannini

E a Giannini? A marca de guitarras nacionais mais conhecida, fundada no Brasil em 1900 pelo italiano Tranquillo Giannini como uma loja de violões, se equilibra nas cordas trêmulas do setor. Quem falou com o Estado foi o diretor comercial e de marketing da empresa, Flavio Giannini.

Como estão as vendas de guitarra da Giannini hoje? Vocês sentem uma queda, como os outros fabricantes mencionam?

Nós continuamos com guitarras em nossa linha, mas houve uma queda em relação ao ano de 2016 de 45%.

Olhando para os últimos dez anos, o que se percebe com relação ao perfil do consumidor da marca? Alguns entrevistados contam que jovens estão começando a tocar mais tarde, que muitos trocaram instrumentos por computadores.

Com a não obrigatoriedade do ensino musical no currículo escolar e com a concorrência de videogames, YouTube e aplicativos, perdemos muitos consumidores, e isso está crescendo cada vez mais.

Quando falamos que o rock mudou, um possível termômetro talvez seja a ausência de novos heróis do instrumento. Essa falta de renovação de ídolos e a consequente mudança de comportamento dos guitarristas podem afetar as vendas do instrumento?

Com certeza, não temos mais ídolos em guitarras como antigamente. A falta de não ter em quem se espelhar colabora com a queda das vendas.

Em meio a tantas variáveis, como a Giannini consegue se manter por tanto tempo? Qual a melhor estratégia para uma marca de guitarras?

A Giannini não é somente uma marca de guitarras, temos uma vasta linha de instrumentos de cordas bem como a fabricação de encordoamentos para todos eles. O fato de estarmos com um mix de produtos extenso faz com que tenhamos facilidade em manter nossa marca sempre presente.

O que faz com que essa invenção, a guitarra elétrica, sobreviva à revolução tecnológica e comportamental pela qual passamos?

Essa é a resposta que o mundo dos fabricantes de guitarras está procurando saber. Acredito que estamos passando por um ciclo que está para terminar. O universo de instrumentos musicais já passou e ainda passa por ciclos em vários segmentos. Este é o momento da guitarra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.