A banda de heavy metal Helloween faz show em SP

Após quase três anos, a banda alemã Helloween volta ao Brasil, desta vez trazendo um mimo especial para os fãs. O show em São Paulo é um dos três que farão parte do DVD do grupo, difusor de um estilo conhecido como power metal - ou heavy metal melódico. As apresentações na Bulgária - que reuniram 5.000 pessoas - e no Japão também serão usadas no trabalho, que inclui um CD ao vivo.Os alemães vão apresentar o novo álbum, "Keeper of the Seven Keys - The Legacy". O CD carrega o nome dos dois discos mais famosos da banda, "Keeper of the Seven Keys I", de 87, e o "Keeper II", do ano seguinte, que deram o tom a um estilo difundido mundialmente hoje por grupos como Stratovarius e Blind Guardian. Com o novo trabalho, que vem sendo chamado de "Keeper III", o Helloween busca resgatar a sonoridade de seus dois álbuns clássicos.Em sua quinta apresentação no Brasil, a banda chega com nova formação, para variar. Desta vez, quem estréia no Helloweené o baterista Dani Loeble, eleito um dos dez melhores músicos dogênero pela revista especializada "Burrn!" Completam o grupo ovocalista Andi Deris, o guitarrista Sascha Gerstne e os membrosfundadores Markus Grosskopf (baixo) e Michael Weikath (guitarra)Como não poderia deixar de ser, os clássicos vão fazer parte do show que chega ao Brasil, como "I Want out", "Future World", "Power" e "Dr. Stein", além das novas "The King for a 1.000 Years" e "Mrs. God". As adolescentes apaixonadas que imaginam que o Helloween seja apenas a balada "In the Middle of a Heartbeat", apresentada bem ao estilo banquinho e violão pelo vocalista Andi Deris e responsável pelo momento isqueiro aceso e celular aberto nos shows, vão se decepcionar. A música não faz parte do set list original da turnê.A ligação do Helloween com o Brasil é antiga e forte. Os alemães influenciaram também, e muito, grupos do País, como o Angra. Além disso, o guitarrista Weikath e Deris, por exemplo, já chegaram a participar do DVD gravado ao vivo pelo Shaaman, outra banda nacional que tem o som calcado em Helloween. Junto com os brasileiros, a dupla tocou o clássico "Eagle Fly Free",música que não deve ficar fora das apresentações. O guitarrista, que mantém um estilo cool, tocando sempre com um cigarro no canto da boca - sua marca registrada -, já declarou a inspiração que sente no País e a influência disso em sua música, numa entrevista durante a turnê de 2001, que também passou por aqui. "Gostei muito do Rio, me traz inspiração, o ar é bom, não só por causa da praia, mas o lugar me inspira. Eu sou fã de Burt Bacharach e ele ia bastante para Rio para se inspirar e criar suas melodias, acho que faço um pouco disso", afirmou o músico.Ao todo, são 16 álbuns e 22 anos de estrada. Nesse período, o grupo alemão passou por uma fase ruim. Após "Keeper II", a banda enveredou por um caminho mais pop, lançou dois Cds que desagradaram aos fãs e só conseguiu retornar aos trilhos com"Master of the Rings", de 94.Durante a trajetória, as inúmeras alterações na formação da banda resultaram em dois novos conjuntos, que seguiram a mesma linha musical: o Gamma Ray, criado por Kai Hansen, fundador do próprio Helloween, e o Masterplan, gestado por Roland Grapow e Uli Kusch.Os concertos no Brasil ocorrerão em São Paulo (amanhã, no Credicard Hall), no Rio (domingo, no Claro Hall), em PortoAlegre (no dia 29, no Opinião), em Curitiba (no dia 31, noMaster Hall) e em Santos (no dia 1º, no Clube Atlético Santista).No meio das apresentações brasileiras, a banda vai até BuenosAires, onde toca no dia 28.ServiçoHelloween:Credicard Hall (7 mil pessoas).Avenida das Nações Unidas, 17.955, Sto. Amaro.Telefone: 6846-6000.Sábado(25), 22 h.R$ 80 a R$ 220

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.