WILTON JUNIOR/ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ESTADÃO

4 motivos para esquecer que o Sheppard passou pelo Rock in Rio

Banda liderada por George Sheppard foi a segunda atração do Palco Mundo neste sábado, 26; confira galeria de imagens do dia

Pedro Antunes , O Estado de S. Paulo

26 Setembro 2015 | 22h12

O grupo australiano Sheppard passou pelo Palco Mundo do Rock in Rio deste sábado, 26, e, por mais que o vocalista George Sheppard tenha se esforçado, a apresentação não precisará ser lembrada.

Mostraram um pop descartável e desafinado que quase não foi notado por um público anteriormente tão efusivo durante o show de Lulu Santos, atração logo anterior à eles. 

Se você assistiu ao show do grupo, veja quatro motivos para tirá-lo da memória o quanto antes. Se não viu e está curioso, aqui estão as razões para ficar tranquilo e aceitar que não perdeu nada. 

 1. Descida na tirolesa do Rock in Rio

O brinquedo que dá a oportunidade de pessoas do público atravessarem de um lado a outro da aérea localizada na frente do Palco Mundo foi a atração do começo do show do Sheppard. George, o vocalista, passeou pelo brinquedo no início da performance, algo nada inédito na história recente do Rock in Rio. Jared Leto, quando esteve aqui com seu 30 Second To Mars, já havia feito isso em 2013. E foi bem mais impactante.

2. Pop descartável 

A banda não apresenta nada de novo ao pop radiofônico. Reúne referências que outros grupos contemporâneos ja usaram e abusaram. Há sonoridades muito próximas à música de Ed Sheeran e de Imagine Dragons. Ou seja?

3. Vocalista desafinada 

George divide os vocais com Amy Sheppard e isso é um problema enorme. Ele até sabe cantar, mas a guria desafina mesmo nas notas mais simples. Os duetos deles são desastrosos ao vivo. A moça de cabelo azul realmente não sabe o que está fazendo ali.

4. Apenas um hit

Chegar ao Palco Mundo, diante de 85 mil pessoas, com apenas uma carta na manga é quase suicídio. Geronimo, único sucesso do grupo, ficou encarregada de encerrar a performance, mas não foi capaz de fazer o mar de pessoas sentadas/deitadas nas áreas laterais do palco saírem da sua posição de descanso. Era melhor guardar as energias para Sam Smith e Rihanna. E com razão. 

Confira ainda a galeria de imagens do dia:

Mais conteúdo sobre:
Rock in RioMúsicaSheppard

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.