Daniel Deme/ EFE
Daniel Deme/ EFE

£250 mil são doadas para gravadoras de Londres após incêndio na Sony

Fundo foi criado para impedir que pequenas empresas não suportem a crise gerada pelos conflitos na cidade

estadão.com.br,

12 de agosto de 2011 | 15h02

SÃO PAULO - Um fundo de 250 mil libras foi arrecadado por doações de todo o mundo para evitar que gravadoras independentes sejam prejudicadas pelo incêndio no depósito da Sony na madrugada da última segunda-feira, 8, após rebeliões em Londres.

 

Os fundos ficarão disponíveis em forma de empréstimo, reembolsável em um ano. Nos primeiros dias após o incêndio que destruiu parcialmente a distribuidora da Sony, temia-se que muitas das pequenas gravadoras fechassem depois de um tempo, devido ao prejuízo, já a PIAS, maior distribuidora dessas gravadoras, armazenava seus estoques no prédio. "Grandes gravadoras são muito mais preparadas para enfrentar essa tempestade, mas pequenas e novas gravadoras são o futuro e precisam de apoio para superar essa crise", disse o presidente da associação de gravadoras Beggars Group, Mike Mills.

 

CINEMA

 

A indústria fonográfica não foi a única afetada pelos confrontos entre policiais e jovens na Inglaterra. O jornal The Guardian divulgou ontem que as bilheterias sofreram grandes quedas no final de semana por conta dos tumultos na região de Londres.

 

A arrecadação com bilheterias tiveram queda de mais de 25% na última terça-feira, dia que seguiu a noite mais pesada de conflitos, pois muitos cinemas resolveram fechar suas portas por medo da violência.

 

A maior empresa de cinema, a Odeon UCI, fechou 24 de seus 117 cinemas, 19 deles em Londres. Cinemas em Manchester, Birmingham e Bristol também fecharam na terça-feira.

 

Com o policiamento reforçado na cidade, o funcionamento dos cinemas deve se normalizar, no entanto a polícia londrina se preocupa que o aumento do consumo de álcool nos finais de semana possa provocar nova onda de ataques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.