17 milhões de CDs piratas foram apreendidos em 2003

As autoridades apreenderam no ano passado, em todo o território nacional, cerca de 17 milhões de CDs piradas, entre virgens e gravados, segundo balanço da Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos (APDIF). Em 2002, o balanço da entidade mostrava apreensão de 12,5 milhões de CDs ilegais. As 1018 ações acompanhadas pela APDIF em 2003 resultaram também na apreensão de cerca de 5 mil drives de gravação e na prisão de 142 pessoas flagrante.São Paulo liderou a lista dos estados com mais apreensões em 2003, com pouco mais de 7 milhões de cópias ilegais. O Paraná é o segundo colocado, com 5,8 milhões de cds piratas. Rio de Janeiro, Pernambuco, Distrito Federal, Bahia, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Tocantins também foram alvo de ação policial. A APDIF estima que mais da metade de todos os CDs vendidos no País sejam piratas.De acordo com a pesquisa de mercado realizada anualmente pela associação, a pirataria musical de CDs surgiu no Brasil na década de 1990. Em 1997, tinha uma fatia de 3% do mercado, saltando para 59% em 2002, o que representava 115 milhões de cópias piratas e um movimento de R$ 780 milhões. Os dados de 2003 mostram que ou a pirataria continua crescendo no País ou melhorou a ação policial. O fato é que o Brasil já foi, inclusive, ameaçado de sofrer retaliações comerciais dos Estados Unidos caso seja definido como "país prioritário" no relatório que avalia, anualmente, o respeito dos países às leis de proteção intelectual.

Agencia Estado,

01 de fevereiro de 2004 | 15h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.