Juliana Azevedo
Juliana Azevedo

Talento x esforço

Depois de cinco décadas, entendo o abismo entre talento e o que realmente altera o rumo de uma existência

Alice Ferraz, Moda

20 de novembro de 2021 | 07h00

Entre as características pessoais que mais admiramos como sociedade está o talento. Ter um talento especial parece ser uma bênção preestabelecida como uma mostra do quão especial é o detentor daquela qualidade. Como se nascer com determinada habilidade fosse símbolo de virtude. A injustiça se faz presente na base desse pensamento, já que não depende de nós nascer com determinada capacidade. Ficamos à mercê da sorte, do destino ou de uma bênção. 

A situação se agrava com o passar do tempo. Mas quando o talento específico se torna reconhecido pela sociedade temos aquilo que é chamado de efeito halo. Tal acontecimento foi estudado e nomeado pelo psicólogo norte-americano formado em Harvard Edward Thorndike. De acordo com ele, esse efeito acontece quando temos a avaliação de um aspecto do indivíduo e essa característica intervém no julgamento da personalidade por inteiro dessa pessoa.

O efeito halo demonstra a interferência na simpatia que temos por pessoas que apresentam certas características que admiramos. O talento de alguém, mesmo que específico, nos leva a admirá-lo em outras áreas, como um efeito daquela impressão. Dessa forma podemos considerar e confundir talento com virtude. 

Criada uma primeira impressão, temos a tendência de só captar características que vão confirmar essa mesma impressão. Dessa forma, pessoas esforçadas e consideradas sem talento saem em desvantagem com relação à simpatia gerada espontaneamente pelos que possuem tal bênção. 

Depois de cinco décadas, entendo o abismo entre talento e o que realmente altera o rumo de uma existência: o esforço. Se comparados talento e esforço, o primeiro é mais atraente e desejado, claro. Mas a vida mostra sua complexidade justamente nessa ilusão. Sem esforço, o talento aos poucos desaparece, mas com esforço por vezes nascem talentos. 

A beleza que, como um talento, é algo recebido de graça e cria o tal efeito halo à primeira vista, sem o esforço relacionado à educação e à simpatia na comunicação, no que se transforma? E o talento de uma linda voz sem determinação de se fazer ouvida e cantada a mensagem que deve ser produzida? 

O esforço preenche o talento. Aos pouco talentosos e muito esforçados vai aqui minha experiência. Sou hoje chamada de uma mulher talentosa, quando sou, na verdade, uma pessoa esforçada que lutou para aprimorar pequenas qualidades. As cinco décadas que separaram a menina comum foram preenchidas com dedicação e comprometimento, esforço reconhecido hoje como bênção. 

Tudo o que sabemos sobre:
Harvardmulherpsicologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.