Matheus Betoni /Divulgação
Matheus Betoni /Divulgação

Série Antifrágeis: Guilherme Benchimol

CEO e fundador da XP conta como ser demitido incentivou a criação de sua empresa e como a pandemia foi decisiva

Alice Ferraz, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2020 | 05h00

Ao escolher nosso personagem da série “Antifrágeis” desta semana, inspirada no conceito do escritor Nassim Taleb, o que surgiu à minha mente foi um provérbio japonês, que diz: “O bambu que se curva é mais forte que o carvalho que resiste”. A ideia de que a habilidade de adaptação em momentos de adversidade tem relação direta com desenvolvimento pessoal e crescimento profissional está no centro da teoria de Taleb e nos guia para a construção dessa sequência de textos com histórias de importantes personalidades antifrágeis brasileiras. A analogia à sabedoria japonesa chega como metáfora para introduzir Guilherme Benchimol, CEO e fundador da XP Inc., empresa considerada uma das maiores corretoras independentes do Brasil.

Formado em economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, cidade onde nasceu em 1976, Benchimol começou a trabalhar em corretoras de valores aos 18 anos. Aos 24, foi demitido. No entanto, o momento que poderia ter sido encarado de forma problemática, ou então visto como lição dura demais, foi percebido como uma oportunidade e serviu de ponto de partida para Benchimol iniciar sua própria empresa. Em maio de 2001, o empreendedor abriu seu primeiro escritório como agente autônomo em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e, desde então, trabalha de forma incansável para conquistar seu espaço. “Após ser demitido, algo que eu achava que só acontecia com quem não era bom o suficiente, resolvi nunca mais ter chefes na vida. Meu único chefe é, até hoje, o cliente. Acredito que a coragem de montar um negócio e acreditar no impossível fez a diferença na minha vida. Ter trabalhado duro e sempre com foco no cliente foi o que nos trouxe até aqui e é o que nos impulsionará nas próximas décadas”, conta Benchimol, sobre o início de sua carreira. “Ao longo da minha história na XP, vivi uma série de momentos desafiadores, desde quando ocupava um pequeno escritório em Porto Alegre e tive que vender o meu carro para evitar fechar a empresa, mas nada se compara ao momento que vivi nessa pandemia, certamente o mais importante da minha trajetória como empreendedor.”

De um dia para o outro, Benchimol colocou 98% de uma equipe de mais de 2 mil pessoas trabalhando de casa, para garantir a segurança deles e de seus familiares, sem deixar de lado o atendimento aos clientes da empresa. “Os mercados globais tiveram alta volatilidade nesse período, o que tornou tudo mais difícil, pois milhares de clientes precisaram de nós ao mesmo tempo. Tivemos nossa eficiência e agilidade testadas.” A empresa também focou em ajudar milhares de pessoas por meio do Juntos Transformamos, tanto com doação de alimentos quanto com infraestrutura de saúde. “Queríamos retribuir à sociedade quando ela mais precisou e é assim que vejo as empresas do futuro e as que irão sobreviver”, completa.

A personalidade antifrágil de Guilherme Benchimol faz com que enxergue o Brasil como o País com “um mar de oportunidades para quem tem uma visão construtiva” e quer realmente fazer as coisas acontecerem do jeito correto e sem atalhos. Guilherme transborda seu entusiasmo: “Para ter ideia, se eu fosse um extraterrestre e chegasse hoje no planeta Terra e tivesse que escolher um país para empreender, a minha escolha seria sem dúvida o Brasil. Um país cheio de pessoas resilientes, corajosas e por isso com o maior número de empreendedores do mundo”. A fórmula usada para lidar com os problemas? “Agilidade para tomar decisões e corrigir rotas pelo caminho sem medo dos novos desafios.”

Tudo o que sabemos sobre:
moda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.