Tato Belline
Tato Belline

Metade da Laranja

Do primeiro encontro, que aconteceu às pressas, ao novo programa “Bem Juntinhos”, no GNT, Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert provam sua completa sinergia

Alice Ferraz, Moda

06 de junho de 2021 | 07h00

São 19 anos, três filhos e inúmeras parcerias profissionais. Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert são um daqueles casais épicos, que adoramos acompanhar pelas telas como o ideal de um amor perfeito. Mas nessa entrevista, melhor do que o perfeito que inventamos, encontramos em Rodrigo e Fernanda um amor real, cúmplice e complementar. 

À primeira vista, a beleza perfeita com traços delicados de Fernanda pode dar margem a erros de interpretação. Fernanda é assertiva na fala, forte e pioneira, quebrou paradigmas usando sua voz para falar de aceitação, de amor e de sexo, como dizia o nome do programa que comandou na Rede Globo por 11 temporadas. Beleza, força e inteligência unidas em uma única mulher podem criar extremo desconforto em certas audiências. Mas Fernanda se atreve a avançar mesmo assim, e nos brinda ainda com generosidade e acolhimento. 

Rodrigo traz doçura e suavidade no primeiro contato e, talvez por isso, seja mais fácil interpretá-lo. Ama cozinhar e valoriza momentos de conexão com o planeta. O sorriso fácil é convidativo e em minutos Rodrigo parece aquele vizinho, amigo de infância, com o qual você se sente completamente à vontade.  

Fernanda e Rodrigo estão juntos há quase duas décadas e compartilham a paixão pelas coisas simples da vida. O casal se uniu oficialmente no ano passado, durante a quarentena, em uma cerimônia muito intimista no sítio da família. A noiva chegou de canoa, levada por seus dois filhos, usando um vestido branco que carregava uma simbologia da força desse amor. A peça foi comprada pela apresentadora há 18 anos durante uma viagem para Buenos Aires, na Argentina, e ela conta que na época já sabia que era esse vestido que usaria para se casar com sua cara-metade.  

Como uma boa história de amor, a deles começa de forma inesperada. Rodrigo fala que se apaixonou por Fernanda por uma foto, no escritório de Antonio Amancio, empresário e amigo. Fernanda relembra que, na ocasião, Amancio disse a ela que Rodrigo seria o homem de sua vida. Assim, o primeiro encontro foi meio arranjado. “Rodrigo estava vindo do Rio para São Paulo e ele [Amancio] pediu para que passasse aqui na minha casa para entregar umas fitas. Me preparei toda para recebê-lo”, relembra, uma Fernanda com brilho nos olhos. “Mas foi tudo tão rápido que nem deu tempo de nos conhecermos.” O marido diz que “estava tão envergonhado que saiu correndo”.  

Do primeiro encontro às pressas, nasceu o interesse crescente que se concretizou na segunda vez em que estiveram juntos, no Rio de Janeiro, durante uma festa de aniversário. Na ocasião conversaram, se conheceram, ficaram juntos e no primeiro dia já estavam de mãos dadas. “Era namoro sério. Desde que a conheci, sabia que a Fernanda seria a mulher da minha vida”, relembra Hilbert, sobre a história dos dois. “Era para ser”, complementa ela. 

Não à toa, o verbo complementar se faz muito presente na narrativa dos dois e também, como o próprio termo denota, em todos os outros casais do mundo que são tidos como caras-metades. Duas partes que se encontram e que juntas formam algo maior. “Ao mesmo tempo em que somos complementares, também acho que somos muito parecidos. Nos nossos valores, nas nossas ideias de vida, nos nossos sonhos. Parece que caminhamos muito juntos nesse lugar. Temos a diferença de temperamento, mas o estilo de vida é o mesmo.” 

Sentados lado a lado em frente ao zoom, Rodrigo diz que está aprendendo a ser mais Fernanda e Fernanda diz que está aprendendo a ser mais Rodrigo em discurso de equilíbrio e humildade mútua. “Acho que até nesse sentido vamos nos completando”, diz Fernanda. “Essa ideia de complementar vai acontecendo, vamos descobrindo o que podemos aprender com o outro e isso vai criando uma estrutura gigantesca. Só o tempo vai fazer você completar isso tudo e crescer cada vez mais”, finaliza ele. 

Atualmente, o casal comanda o programa Bem Juntinhos, do GNT, que apesar do novo formato, com os dois em casa recebendo amigos para conversas descontraídas, continua a trazer temas importantes sobre relacionamento e outros assuntos relevantes para a evolução da mentalidade na sociedade contemporânea. “Não saberia fazer um programa que não trouxesse um propósito, uma razão, uma busca”, ressalta Fernanda. 

Duas almas similares e um relacionamento que como todos não é perfeito. Tentei investigar mais a fundo defeitos e eis o que consegui. Ele é “exagerado” e ela “não bebe vinho”, dizem um do outro. Mas, verdade seja dita, o amor só cresce com o passar dos anos. “A Fernanda é tudo de bom. Nasceu para ajudar pessoas e para ensinar o que sabe. Ela  me apoia e sempre sorri para a vida”, diz ele. Já ela não demora a elogiar o marido: “O Rodrigo é um pai sensacional, é companheiro e é autêntico”. Alguém duvida que são de fato metades de uma mesma laranja?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.