Moda
Moda

João Braga: Herança fashion

Uma das maneiras de manter a identidade e tradição de um ofício ou negócio na moda é a transmissão familiar de mãe para filha

João Braga, Moda

08 de maio de 2022 | 06h00

Mulheres, mães e moda: uma tríade que conta história. Uma das maneiras de manter a identidade e tradição de um ofício ou negócio na moda é a transmissão familiar de mãe para filha. E a moda tem suas histórias associadas à maternidade.

A artista ucraniana Sonia Delaunay (nascida Sarah Illinitchna Stern –1885-1979) mudou-se para Paris e casou-se, em 1910, em segundas núpcias, com o artista orfista Robert Delaunay (1885-1941), quando logo tiveram um filho: Charles Delaunay (1911-1988). Sonia, certa vez, ainda grávida, quando seu marido lhe deu uma sacola de retalhos de tecidos doada por seu alfaiate, resolveu fazer uma colchinha para o bercinho do bebê.

Ao concluir, viu que o resultado visual daquele patchwork era semelhante por obras do Cubismo Analítico. Então, deixou as ditas artes plásticas e migrou para as artes decorativas e aplicadas, enveredando-se pela moda com suas “estampas e vestidos simultâneos”, assim por ela adjetivados.

Jeanne Lanvin (1867-1946) foi outro nome da moda que teve forte relação com a sua filha: Marguerite Marie-Blanche (1897-1958). Da chapelaria, enveredou-se pela moda infantil, antes mesmo da moda feminina adulta. O logotipo da Casa Lanvin, ainda hoje, é a estilização gráfica de uma foto dela num baile infantil com sua filha.

A futura marca italiana Fendi foi inicialmente criada por Adele Casagrande (1897-1978), em 1918, e que ao se casar com Edoardo Fendi (1904-1954), em 1925, tornou-se a marca Fendi. Suas cinco filhas Paola, Anna, Franca, Carla e Alda, a partir de 1946, deram continuidade à casa.

E para incluir o Brasil no cenário internacional da moda e herança familiar, vale ressaltar a Daslu, marca paulistana criada em 1958 pelas amigas Lúcia Piva de Albuquerque e Lourdes Aranha dos Santos, que a partir de 1983 foi mantida a continuidade da empresa pela filha de Lúcia, Eliana Tranchesi (1955-2012), tornando-se, então, um fenômeno mundial no comércio de produtos de alto padrão.

Muitas outras casas e/ou marcas de moda, além das citadas, são uma verdadeira herança deixada de mãe para filha, perpetuando valores, padrões estéticos e especialmente a relação familiar no trabalho de moda.

Tudo o que sabemos sobre:
modaDia das Mães

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.