Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Joalheria dinamarquesa Pandora deixará de usar diamantes de minas

Esta é uma tendência entre as joalherias, que querem oferecer mais garantias ao consumidor quanto ao respeito aos direitos humanos e ao meio ambiente

Redação, AFP

06 de maio de 2021 | 09h31

A joalheria dinamarquesa Pandora anunciou que deixará de usar diamantes de minas e comercializará apenas sintéticos de laboratório, um ano depois de optar por usar apenas ouro e prata reciclados até 2025.

A Pandora, especializada em joias de baixo custo - da qual é uma das maiores produtoras mundiais - agora usará apenas diamantes de laboratório, disse a empresa em um comunicado. São mais baratos e têm todas as características de um diamante natural, observou.

"Os diamantes não são apenas eternos, são para todos", destacou o chefe do grupo, Alexander Lacik. Esta escolha "é a prova do ambicioso programa que estamos realizando para sermos mais sustentáveis", frisou.

A primeira coleção da Pandora a usar diamantes de laboratório será lançada primeiro no Reino Unido antes de ser lançada globalmente no próximo ano.

Fundada em 1982 em Copenhague, a Pandora se tornou uma multinacional com mais de 27 mil funcionários, metade deles na Tailândia, onde suas joias são produzidas. O grupo vende 250 mil peças por dia. 

Embora os diamantes estejam presentes apenas em uma pequena parte das vendas da Pandora, a escolha faz parte de uma tendência das joalherias em oferecer mais garantias ao consumidor quanto ao respeito aos direitos humanos e ao meio ambiente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.