Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Israel é o primeiro país a proibir o comércio de peles para moda

O comércio de peles, importação e exportação só estará liberado para fins de pesquisa, ensino e algumas tradições religiosas

Redação, AFP

10 de junho de 2021 | 10h41

Israel baniu nesta quarta-feira, 9, por decreto ministerial, o comércio de peles para moda, tornando-se o primeiro país a adotar uma legislação tão rígida, anunciou o Ministério do Meio Ambiente. 

"O comércio de peles, importação e exportação, será proibido, exceto quando for feito para pesquisa, ensino e algumas tradições religiosas", informou o ministério em um comunicado, no qual especifica que a medida entrará em vigor em seis meses. 

Assim, a sua utilização para a confecção do Schtreimel, chapéu usado por alguns judeus ultraortodoxos, continuará a ser autorizada. 

"A indústria do comércio de peles causa sofrimentos inimagináveis aos animais e este decreto vai transformar o mercado da moda israelense, aprimorando-o no campo do respeito" à natureza, disse em comunicado Gila Gamliel, ministra do Meio Ambiente. 

A instituição também publicou uma carta enviada por Jane Halevy-Moreno, diretora da Coalizão Internacional Antipeles (IAFC, por sua sigla em inglês), na qual ela comemorava o decreto e o qualificava como um "gesto histórico". 

Em 1976, Israel proibiu a criação de animais para obtenção de suas peles. 

Vários países baniram parcialmente o comércio deste material, especialmente quando se trata de espécies ameaçadas de extinção, como focas.

Até agora, a proibição total só se aplica a algumas cidades, como São Paulo, no Brasil, ou no estado da Califórnia. 

Na Índia, regulamentações semelhantes foram impostas em nível nacional, mas apenas para pele de vison, raposa e chinchila.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.