Misci
Misci

Grife Misci une exaltação ao Brasil e técnicas europeias de alfaiataria

O designer Airon Martin apresenta sua coleção, no dia 19, na São Paulo Fashion Week, que agora tem sua edição presencial

Alice Ferraz, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2021 | 07h00

O neurocientista Ethan Kross definiu bem quando escreveu em seu best-seller A Voz em Sua Cabeça que a mídia social é o novo espaço de encontro criado pelo ser humano. O designer Airon Martin, 29 anos, uma geração nativa do ambiente digital e nome à frente da marca de moda Misci, concorda, mas buscou outro ambiente de encontro, troca e views bem conhecido também dos brasileiros, o bar. 

“Nas cidades, principalmente as do interior do Brasil, o bar é onde tudo acontece, onde tudo se vê, se compartilha. Minha nova coleção fala muito sobre o quão amplo é esse contexto, nunca sabemos o que acontece dentro de uma lanchonete no interior do Brasil”, conta. O ambiente permeou a infância do jovem designer em Sinop, sua cidade natal no interior do Mato Grosso, que agora é revisitada com um olhar consciente de sua potência. “O bar extrapola suas funções comerciais, ele é uma plataforma de relacionamento das cidades.”

Tradição

Com pouco mais de três anos de vida, a Misci, de Airon Martin, nasceu de um jogo de heranças, memória afetiva e elementos da estética brasileira que se unem a técnicas da costura tradicional europeia, a alfaiataria. O tema é algo sério para Airon, que fala do assunto com profundo respeito e conhecimento “Trago referências brasileiras para uma roupa que tem excelência em sua construção e é feita com técnicas de alfaiates ingleses, franceses e italianos. Até porque a moda como conhecemos hoje teve suas origens lá, é importante respeitar essa tradição.” 

Airon se equilibra entre essa mistura, brasileira e europeia, assim como conduz a marca entre o ambiente digital e o bar. “Depois de duas edições digitais no São Paulo Fashion Week chegou a hora de estarmos fisicamente juntos e nesse pensamento híbrido entre os dois ambientes, físico e digital. O bar da minha cidade era a referência onde eu mostraria minha coleção. Assim recriamos esse ambiente na passarela”, conta sobre seu desfile que será no dia 19, em São Paulo.

Apesar de seu tempo de estrada ainda ser curto, a ascensão de Airon na moda brasileira segue em uma crescente admirável. O designer já conquistou uma base sólida e fiel de clientes com suas peças que trazem elementos lúdicos do imaginário brasileiro, como filtros de barro e frases de para-choque de caminhão, todas com cortes impecáveis e costura primorosa, construídas com as melhores matérias-primas nacionais e tecidos feitos com exclusividade para as coleções .

Ao visitar a loja da Misci tudo fica ainda mais claro: as paredes em um tom leve de terracota guardam araras recheadas de descobertas que estimulam o olhar, mas também o toque. O espaço em si é prova material do sucesso da marca: em plena pandemia, Airon inaugurou seu primeiro ponto de vendas físico, uma charmosa loja na Rua Mateus Grou. 

Expansão

Logo, o espaço ficou pequeno e a marca mudou para o prédio da frente, com área maior, mais provadores e um bar no jardim dos fundos que é ponto de encontro, conversão de ideias e de pura brasilidade. Sob o nome Varal, o bar de Hyssa Abahim, amigo de Airon, também carrega esse jogo entre o que vem do nosso País e o que vem de fora, reinventa drinques clássicos ao adicionar ingredientes brasileiros como cachaça e açaí e mostra toda a potênciadesse encontro entre culturas. 

Durante a pandemia, os brasileiros olharam para o Brasil com lupa e o nacional entrou em foco. Mas o mundo contemporâneo acontece em rede, sempre conectado, e são pontes criadas por mentes como a de Airon que desenham um horizonte promissor na moda brasileira, autoral e nova sim, mas com conteúdo muito bem formado e raízes sólidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.