Antonio Calanni/AP
Antonio Calanni/AP

Dolce & Gabbana deixará de usar mais peles em suas coleções

Decisão vale a partir deste ano; empresa segue outras marcas de luxo que pararam de usar pele animal

Redação, O Estado de S. Paulo

31 de janeiro de 2022 | 16h17

A empresa italiana Dolce & Gabbana anunciou hoje que deixará de usar peles de animais em suas coleções a partir de 2022, embora continue trabalhando com profissionais para encontrar alternativas sustentáveis.

"Uma escolha consciente em direção a um futuro mais sustentável e sem peles. A Dolce & Gabbana, com o apoio da Humane Society dos Estados Unidos e da Humane Society International, optou por parar de usar peles de animais em todas as suas coleções a partir de 2022", a empresa disse em um comunicado.

A empresa, fundada pelos designers Domenico Dolce e Stefano Gabbana, afirmou que "para preservar o trabalho e o profissionalismo dos mestres peleteiros (...) vai continuar a colaborar com eles para "a criação de vestuário e acessórios para 'eco-leather”, uma alternativa sustentável de peles artificiais que utiliza materiais reciclados e recicláveis.

O anúncio ocorre dias depois que a marca italiana de moda Moncler garantiu que deixará de usar peles a partir de 2024 e segue a tendência de outras marcas de luxo, como Prada, Gucci e Versace.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.