EFE/EPA/Dolce & Gabbana Press Office Handout ANSA
EFE/EPA/Dolce & Gabbana Press Office Handout ANSA

Dolce & Gabbana apresenta coleção cheia de cores em Milão; veja fotos

Com distanciamento rigoroso, desfile foi o primeiro com público na Semana de Moda masculina de Milão neste ano

Brigitte Hagemann, AFP

19 de junho de 2021 | 17h30

A dupla italiana Dolce & Gabbana apresentou neste sábado em Milão uma coleção masculina fiel ao seu DNA, cheia de luz, cor e excentricidade, pronta para deixar para trás o cinza da pandemia.

A coleção primavera/verão 2022 da Dolce & Gabbana foi batizada de "Terapia Luminosa". O antigo cinema Metropol se transformou em um templo cheio de luz, como se quisesse recuperar a vitalidade da Sicília natal de Domenico Dolce e Stefano Gabbana, sua eterna fonte de inspiração.

O desfile foi o primeiro com público na Semana de Moda masculina de Milão, e acenou para a extravagância da marca nos anos 2000.

Os modelos exibiram camisas de popeline estampadas ou com efeitos que lembravam joias, abertas ou cruzadas, por cima de calças jeans desestruturadas, misturando voluntariamente informalidade e uma elegância sofisticada.

Quimonos de flores, casacos com estampa de leopardo ou zebra decorados com cristal, brocados de renda ou cetim: uma homenagem ao espírito de festa e folclore que sempre caracterizou a dupla. Como acessórios, brincos dourados, chapéus e bolsas de cores vivas.

A volta dos desfiles com público "é uma mensagem clara, que ilustra a vontade de retornar gradativamente à vida normal com segurança absoluta", disse à AFP o presidente da Câmara de Moda italiana, Carlo Capasa. Como os demais espectadores, ele usava máscara. O distanciamento entre as cadeiras foi rigoroso.

Apenas três dos 47 desfiles que irão acontecer até terça-feira em Milão terão plateia. A maioria das marcas optou por vídeos pré-gravados ou curta-metragens pela internet.

Tudo o que sabemos sobre:
Dolce & Gabbana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.