Ludwig Bonnet-Java/Dior
Ludwig Bonnet-Java/Dior

Dior celebra a liberdade feminina em desfile no Palácio de Versalhes

A coleção é rica em golas brancas e babetes bordados, evocando o mundo da infância

AFP, Redação

09 de março de 2021 | 09h41

No Dia Internacional da Mulher, a Dior se apresentou no Palácio de Versalhes e colocou suas modelos no Salão dos Espelhos sem que suas imagens fossem refletidas, celebrando assim uma nova liberdade feminina. 

Para a Semana de Moda virtual, a diretora artística da Dior, Maria Grazia Chiuri, aliou-se à artista italiana Silvia Giambrone e à coreógrafa israelense Sharon Eyal na reinterpretação deste famoso espaço, símbolo do patriarcado inaugurado pelo rei Luís XIV. 

Bailarinos e modelos interagiam com uma estrutura artística de resina, cera e acácia que cobria os imponentes espelhos do palácio, localizado nos arredores de Paris. 

"Nos contos de fadas, o espelho é importante para as mulheres, é tanto uma fonte de atração quanto de repulsa", disse Chiuri à AFP.

“Se queremos construir uma identidade própria, não devemos olhar para ela”, acrescentou a estilista italiana, uma das figuras feministas mais influentes da moda. 

O vídeo da coleção para o próximo outono-inverno lembra o filme A bela e a fera, de Jean Cocteau, com sua poesia sombria, tão bela quanto angustiante. 

Com a covid-19, "o tempo ficou suspenso", explica Chiuri. “É a época das histórias, com florestas encantadas que não vão recuperar suas cores até que a vida renasça". 

A pandemia foi um duro golpe para as semanas de moda, privando as empresas do glamour e da visibilidade que costumam ter nas passarelas. 

 

As marcas de luxo agora devem se contentar com apresentações virtuais sem público e dar “amostras de imaginação para despertar desejo” e “esperança”, segundo o diretor artístico.

A coleção é rica em golas brancas e babetes bordados, evocando o mundo da infância. 

Os vestidos de noite, longos e esvoaçantes, com tules sobrepostos, remetem ao mundo da vida social e às cerimônias com tapetes vermelhos interrompidos pelo coronavírus. 

A paleta de cores varia de cinza a vermelho. Do lado de fora do palácio, uma princesa punk caminhava com botas e meias embutidas. Outra usava um vestido de tule bordado com rosas com um efeito rasgado, como se estivesse ferida.

 

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.