Clemence Couturier/Christian Dior
Clemence Couturier/Christian Dior

Dior apresenta coleção masculina alegre e psicodélica em desfile online

Peças brincam com as silhuetas clássicas da grife e o universo do artista americano Kenny Scharf, que criou, nos anos 1980, conexões entre o mundo artístico contemporâneo e o do grafite

AFP, Redação

09 de dezembro de 2020 | 14h39

A maison Dior apresentou nesta terça-feira. 8, online sua coleção masculina para o outono 2021, marcada por cores vivas, motivos psicodélicos e uma extravagância luxuosa, que transmite jovialidade em tempos de pandemia.

"Quando iniciamos a coleção, estávamos saindo do primeiro confinamento e quis trazer alegria, felicidade e esperança", explicou Kim Jones, criador britânico das coleções masculinas da marca de luxo francesa, em vídeo que acompanha a apresentação dos modelos.

Leia Também

Desatando nós

Desatando nós

A coleção, à qual ele quis dar um toque "leve e divertido", brinca com as silhuetas clássicas da Dior e o universo do artista americano Kenny Scharf, que criou, nos anos 1980, conexões entre o mundo artístico contemporâneo e o do grafite ao estilo Jean-Michel Basquiat ou Keith Haring. "Adoro o contraste de cores. Quando pegamos os opostos, triste e alegre, e os colocamos juntos, isso cria a tensão e efervescência que adoro", explicou Scharf.

Os motivos de suas obras são reproduzidos em jaquetas, suéteres, camisas e boinas. Os bordados com ponto nó, uma das técnicas mais antigas do mundo, foram produzidos na China.

A novidade no que se refere à silhueta foi a abundância de jaquetas e casacos ajustados com cinto, usados com calças largas e mais curtas, que deixam os tornozelos à mostra acima de "chunky boots" coloridas ou pantufas, uma referência ao confinamento que impulsionou a moda do "homewear".

A cenografia do desfile, transmitido pelo site da marca, foi elaborada pelo diretor francês Thomas Vanz como uma odisseia espacial virtual.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.