Matteo Bazzi/EPA/EFE
Matteo Bazzi/EPA/EFE

Desfiles do calendário de moda internacional são cancelados em decorrência da covid-19

Anúncios de adiamentos e novos formatos foram feitos pelos organizadores das semanas de moda programadas para junho e julho

Redação, Moda

02 de abril de 2020 | 16h47
Atualizado 04 de abril de 2020 | 11h07

Com a crise de saúde mundial do novo coronavírus, que atingiu em grande escala as maiores capitais da moda mundial, como Milão, Paris, Nova York e Londres, as organizações responsáveis pela Semana de Moda Masculina e pela Semana de Alta-Costura não tiveram escolha a não ser cancelar ou adiar os eventos.

Na sexta-feira, dia 27, o conselho de diretores da Fédération de la Haute Couture et de la Mode, organização responsável pelas Semanas de Moda Masculina e de Alta-Costura de Paris, que estavam programadas para acontecer de 23 a 28 de junho e de 5 a 9 de julho, respectivamente, divulgou nota cancelando os eventos.

Em ação similar, o Conselho de Moda Britânico também optou por suspender o evento de moda masculina de Londres, que estava marcado para o período entre 13 e 15 de junho.

Grandes esforços

Na Itália, a situação é mais grave. Além de ser um dos países mais atingidos pelo novo coronavírus até agora, também tem a moda como um dos principais pilares de sua economia. Nos últimos anos, chegou a exportar 52 bilhões de euros em bens, de acordo com relatórios da Câmara Nacional de Moda Italiana. Para contornar a situação trazida pela pandemia, a Câmara pretende adiar o evento e buscar novas formas de apresentar as coleções para dar continuidade ao calendário.

“Estamos cientes de que serão feitos grandes esforços para que as novas coleções estejam prontas até junho para iniciar uma campanha de vendas inovadora", anunciou o representante, em comunicado.

Outro grande evento do segmento na Itália que também teve alteração em sua programação foi a trade fair Pitti Uomo, voltada para o varejo, que reuniu em sua última edição em torno de 21.400 compradores de moda para conhecer os produtos de 1.200 marcas expositoras. O evento, que acontece em Florença, estava marcado para junho e foi adiado para o período de 2 a 4 de setembro.

“Setembro pode ser o momento de acender a faísca de uma grande recuperação econômica e cultural em todo o país”, declarou Dario Nardella, prefeito de Florença. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.