Fendi
Fendi

Com alegria e renovação, o desfile da Fendi em Milão aposta no branco

Branco ganha destaque nas coleções apresentadas na Semana de Moda de Milão

Alice Ferraz, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2021 | 05h00

Ao contrário do que é comumente dito, o branco, segundo princípios da física, não é uma cor, mas sim a mistura de todas as cores do espectro cromático. Em uma visão poética, podemos traduzir isso e dizer que ele é luz em sua mais completa forma. Talvez seja por isso que durante a história da humanidade o branco tenha ganho destaque como símbolo da pureza e do divino, um dos exemplos mais difundidos no nosso país, entre muitos, é o uso de roupas alvas na virada de ano, como emblema de paz. Mas nem só de réveillon e religiosidade vive o branco. Na moda, ele tem alto poder de impacto, transmite elegância, ao mesmo tempo que mantém um certo quê de inocência. É exatamente isso que vimos no desfile da Fendi: o branco, para a marca, vem com tudo na próxima temporada! 

A marca italiana apresentou na última quarta-feira, 22, a segunda temporada criada sob a batuta do diretor artístico Kim Jones. O inglês é um dos grandes nomes da moda contemporânea e atualmente divide seu tempo entre a Fendi e a Dior Homme. Na passarela da Semana de Moda de Milão, Jones abre seu desfile com uma sequência forte de looks totalmente brancos e o sentimento que fica é o de recomeço, a limpeza de tudo o que aconteceu para abrir espaço para o futuro. 

Novos tempos estes, que na Fendi chegam com olhos na cultura das pistas de dança, mais especificamente pela icônica casa noturna Studio 54. Nos anos 1970, o espaço fervilhava com moda, arte e frequentadores célebres, como Andy Warhol, Karl Lagerfeld – que até sua morte, em 2019, ocupou o posto de diretor criativo da Fendi – e o artista Antonio Lopez. Este último foi a principal inspiração para a nova coleção criada por Kim Jones. 

“Enquanto eu olhava para o legado de Karl na Fendi, também olhei ao redor dele, em seus contemporâneos, em quem ele estava interessado”, comenta o estilista, sobre o processo de criação do seu verão. 

Os traços de Antonio Lopez são abstraídos e se tornam gestos gráficos que adornam peças como os esvoaçantes kaftans brancos. As intervenções se transformam em estímulos para o olhar, com quase uma dezena de looks brancos iluminando a passarela. São peças em uma alfaiataria limpa e precisa, que chegam com decotes, barrigas de fora, pele à mostra e vêm acompanhadas de modelos fluidos de seda e por peças com uma transparência etérea. 

O começo branco da Fendi abre alas para uma sequência de peças com cores saturadas e metalizados iluminados, o que reforça a mensagem de renovação. Seja premonição ou puro reflexo de um grande desejo, a imagem que a moda pinta nesta temporada é a de que a vida pulsante está de volta. Fashionistas, renovem-se, em todos os sentidos. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
modaFendi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.