A despedida a Patrick Demarchelier, autor de fotos emblemáticas

Francês que morreu nesta semana clicou da princesa Diana a editoriais para as maiores marcas e publicações do mundo

Alice Ferraz, Moda

09 de abril de 2022 | 07h00

Como um francês radicado americano conquistou a honra de se tornar o primeiro não britânico a ser fotógrafo oficial da família real inglesa? A resposta é simples: os retratos de Patrick Demarchelier, que morreu no dia 31 de março, aos 78 anos, tinham o poder de capturar a verdadeira personalidade de seus alvos. A afirmação é poderosa quando se fala de fotografia – e parece ser verdade absoluta entre os amantes do trabalho de Demarchelier, que incluem nomes que vão desde a jornalista Suzy Menkes a Lady Di.

Foi a então Princesa de Gales que, após ver editoriais de moda assinados pelo fotógrafo, escolheu pessoalmente Patrick Demarchelier para fotografá-la com os filhos, em 1989. A parceria deu tão certo que ele se tornou seu favorito e é o responsável pela foto mais emblemática de Lady Di. Uma imagem em preto e branco com Diana em um vestido sem alças, com joias marcantes e um precioso sorriso que ganhou o mundo – e que até hoje é tida como a mais representativa da princesa. 

“Nós nos tornamos amigos. Ela era divertida e generosa – mas, fundamentalmente, era uma mulher simples que gostava de coisas simples”, declarou o fotógrafo em entrevistas sobre sua relação com Diana. Talvez a simplicidade tenha sido o elo entre os dois. O trabalho de Patrick era simplificar ao máximo, em uma imagem, a personalidade de quem se entregava à sua câmera.

DESAFIOS. A tarefa é altamente desafiadora quando quem vai ser fotografado normalmente está sob camadas construídas justamente para esconder o verdadeiro eu e colocar à mostra a persona pública desejada. Assim, Patrick se tornou lenda fotografando “personas” e mostrando pessoas como Madonna, Hillary Clinton, Oprah e Anthony Hopkins. Na moda fez história construindo imagens para uma infinidade de editoriais, campanhas para marcas de luxo, capas de revista icônicas e participação em filmes como O Diabo Veste Prada e Sex and the City.

Gigante por trás das câmeras, seu trabalho sempre foi permeado por uma pureza muito característica. Pense em fotos majoritariamente p&b, com fundos minimalistas e luz suave. O que é raríssimo encontrar em seu corpo de trabalho são personagens com expressões blasé – termo francês que fala sobre falta de emoção e total indiferença e que é muito usada no meio da moda. 

Clássico e elegante, Demarchelier fez da discrição uma característica marcante de sua trajetória. Nas palavras usadas pela jornalista de moda inglesa Suzy Menkes em sua conta pessoal no Instagram ela diz que Patrick além de tudo foi “um fotógrafo gentil”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.