Juliana Azevedo
Juliana Azevedo

A costura da vida com a Vida

Redistribuí meu tempo, mudei compromissos familiares para que escrever coluna e matérias fizesse agora parte das minhas escolhas diárias

Alice Ferraz, Moda

23 de outubro de 2021 | 15h00

Ter sido convidada para fazer parte do time de cronistas do Estadão há dois anos foi uma surpresa e um teste para o quanto eu estaria disposta a encarar o novo, a sair da minha zona de conforto. O convite me pegou em meio à pandemia

No meu microcosmo, o equilíbrio profissional conquistado ao longo dos anos com muito trabalho já estava sendo colocado à prova; recusar seria fácil, alegaria a mim mesma a irresponsabilidade de aceitar mais um desafio já que administrava naquele momento os efeitos emocionais e da empresa em meio à crise que afetava a humanidade. 

Para embarcar nesse novo momento, seria preciso ter foco e dedicação para colocar meu nome ao lado de pessoas que passei minha vida lendo e admirando. Era, então, um passo além do que poderia dar? Não sabia, mas, mesmo assim, decidi aceitar. E não só aceitei como coloquei prioridade máxima nessa nova função. 

Redistribuí meu tempo, mudei compromissos familiares para que escrever coluna e matérias fizesse agora parte das minhas escolhas diárias. O rabino e pensador Nilton Bonder diz que “faz parte da maturidade construir um caminho pessoal, nossa biografia, costurando nosso personagem aos testes da vida”. O ato de colocar a escrita como protagonista da minha vida estava de acordo com a minha biografia, o teste estava claro, se eu conseguisse ter essa maturidade. 

O processo de sair da zona de conforto e produzir o novo é desgastante e requer energia mental e física para lidar com a frustração de resultados nem sempre alinhados com o que gostaríamos. Mas, foi feito. E, assim, passei dois anos escrevendo. 

O mundo começou a vislumbrar a luz no fim do túnel da pandemia e eu passei novamente a me sentir confortável nessa nova pele, aos domingos. E assim que o conforto, bem-vindo, se instalou, recebo um telefonema contando sobre as mudanças (também bem-vindas) do formato e diagramação do Estadão, além de um novo convite: mudar minha página para os sábados. 

O tremor na minha voz me mostrou que nunca vencemos o medo do novo. Já não queria mais sair do domingo, como se lá tivesse a segurança que precisava, como se a narrativa da Alice cronista tivesse naquele lugar sua origem. O que fazer? Aceitar, claro. E aqui estou eu, começando a recosturar minhas expectativas com a nova jornada, transformando mudanças de rota em oportunidades e uma nova visão da interessante teia da vida. 

Tudo o que sabemos sobre:
Nilton Bonderepidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.