Robert Doisneau
Robert Doisneau

Yale compra cartas de amor de Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann

'Uma excepcional correspondência de amor única no mundo', afirmou o cineasta

AFP

19 Janeiro 2018 | 16h08

A universidade americana de Yale comprou as 112 cartas de amor escritas por Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann, indicou nesta sexta-feira, 19, a casa de leilões Christie's.

O valor da venda não foi informado.

Claude Lanzmann, de 92 anos, cineasta, jornalista e escritor, foi o secretário de Jean-Paul Sartre. Durante sete anos, entre 1952 e 1959, viveu com Simone de Beauvoir, 17 anos mais velha.

Estas cartas de um "amor louco", segundo Lanzmann, "apenas diziam respeito a Simone de Beauvoir e a mim", indicou em um texto transmitido pela Christie's.

"Eu não pretendia mostrar (esta correspondência), em nenhuma forma de publicação", acrescentou Lanzmann, que explicou ter vendido essas cartas à Universidade de Yale por causa da "escandalosa lei francesa" que enquadra a transmissão de legados e heranças da totalidade dos escritos de um autor "para parentes às vezes desconhecidos, ao mesmo tempo que rouba os verdadeiros destinatários dessa correspondência".

** Simone de Beauvoir, bela mas não recatada ou do lar

"O conteúdo dessas cartas, de acordo com essa lei absurda, pertence a quem as escreve, mas nunca aos destinatários, a quem são dirigidos", objetou Lanzmann.

Mas, acrescenta, o destinatário dessas cartas "tem o direito de cedê-las, esperando que o comprador possa publicá-las ou, pelo menos, preservá-las e permitir o acesso a historiadores e pesquisadores".

"Foi o que acaba de acontecer felizmente com as 112 cartas que Simone de Beauvoir me enviou", comemorou.

"A prestigiosa Universidade de Yale, que já possui manuscritos de Simone de Beauvoir e meus seminários, que cedi desde 1985, pode, com certeza, ter orgulho de ter comprado todas as cartas de Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann, uma excepcional correspondência de amor única no mundo", conclui.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.