Divulgação
Divulgação

Verissimo lança livro em que abre espaço para histórias com as mentiras contadas por mulheres

Colunista do 'Estado' relata dramas e até comédias

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2015 | 03h00

Em 2000, Luis Fernando Verissimo colecionou mais um best-seller quando lançou As Mentiras que os Homens Contam, seleção de divertidas histórias (a maioria publicada em sua coluna no Estado) em que, como habitual observador bem-humorado do cotidiano brasileiro, ele mostrava que os indivíduos do sexo masculino só faltam com a verdade para poupar as pessoas e, principalmente, para o bem das mulheres.

Passados 15 anos, um dos principais escritores brasileiros da atualidade oferece o outro lado da moeda: chega esta semana às livrarias a obra As Mentiras que as Mulheres Contam (Objetiva), que segue a mesma rotina: diversas crônicas (também previamente publicadas no Estado) em que são detalhadas as técnicas femininas de contornar a verdade.

Verissimo, aliás, tem uma tese: a de que todo ser humano é vítima, ainda em tenra idade, das mentiras femininas com a frase clássica: "Olha o aviãozinho!". "A primeira mentira. Ela querendo nos convencer de que o que tinha na mão não era uma colher com papinha, mas um avião", escreve ele. E completa: "Se um dia fosse acusada de tentar ludibriar um bebê de colo, ela teria uma defesa. ‘Era para ele abrir a boca, seu juiz. Era para o bem dele!’".

Verissimo acredita que a mentira faz parte do cotidiano da mulher, seja na simulação do orgasmo, seja nos reinos de contos de fada. Mas ele alerta: nem sempre a intenção é a de disfarçar um caso ou ocultar um segredo - em diversos casos, não passam de eufemismos ou desculpas educadas.

Em entrevista ao Estado por e-mail, antes de entrar em férias, Verissimo acredita que o homem mente melhor que a mulher, pois, no seu entender, eles conseguem sustentar a mentira mesmo com todas as provas e evidências contrárias. "Mulher não tem o mesmo sangue-frio. Ou a mesma cara de pau", justifica.

Como um existencialista debochado, Luis Fernando Verissimo mostra o absurdo da existência humana por meio de histórias pitorescas, engraçadas, como a da mulher que coleciona cirurgias plásticas ou a jovem que aumenta a idade para sempre ouvir elogios sobre sua jovialidade. Ou ainda a senhora que inventa um amante para provocar ciúmes no marido.

Existem mentiras exclusivas das mulheres? Quais seriam?

Todas as maneiras que as mulheres têm de se embelezar e corrigir defeitos cosmeticamente poderiam ser consideradas mentiras, mas li que já tem homem usando botox. Portanto, não são mais maneiras exclusivamente femininas.

A mulher mente melhor ou pior que o homem? No que ela se destaca: na criação da mentira ou na forma como conta?

Acho que homem mente melhor porque costuma manter uma mentira contra todas as evidências em contrário, e repeti-la até que se torne verdade. Mulher não tem o mesmo sangue-frio. Ou a mesma cara de pau.

Existe algum assunto em que as mulheres jamais são sinceras? Qual (ou quais)?

Quando elas se elogiam mutuamente.

Quem foi (ou é) a maior mentirosa da história? Por quê?

O autor do Gênesis. Ainda acho que aquela história toda foi muito mal contada

Qual seria a função social da mentira?

Quando é usada para não magoar, ou para salvar um relacionamento, ou simplesmente para evitar o vaso na cabeça, a mentira tem uma função social importante.

A política é a função em que até os sinceros parecem mentirosos?

Pois é, os políticos estão tão desacreditados atualmente que, até quando dão bom dia, ninguém acredita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.