Kaboompics/Pixabay
Kaboompics/Pixabay

Um Livro por Semana: As coisas perdidas e não ditas ('Você Não Vai Dizer Nada')

'Você Não Vai Dizer Nada' é o livro de estreia da escritora Julia Codo

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2021 | 03h00

Ninguém sabe o que acontece na profundidade de um oceano. Quem diz isso é a narradora do primeiro conto do livro de estreia de Julia Codo: Você Não Vai Dizer Nada. Ela está falando sobre baleias, sobre uma baleia que aparece morta numa praia do Mediterrâneo quando um casal (ela e o companheiro) refaz, em silêncio, se apagando, uma viagem que anos antes tinha sido outra. Fala sobre a baleia que explode, mas não só. 

O conto também se chama Você Não Vai Dizer Nada, e a frase, muitas vezes na forma de pergunta, ressurge aqui e ali nos 13 textos que compõem este delicado livro sobre o que queremos dizer e calamos, e sobre o silêncio que ouvimos quando o que esperamos é algo que nos faça entender, que nos conecte, que nos dê algum conforto.

Os contos retratam personagens fazendo coisas mais ou menos corriqueiras, e se lembrando de situações que, com outro encaminhamento, teriam tornado mais leve a vida. Mais resolvida. 

Em A Segunda Pior Dor, uma mulher está na sala de espera de um pronto-socorro e encontra uma carteira. Momentos antes, tinha ouvido um homem ao telefone dizendo que tinha sentido a pior dor de sua vida. A segunda pior, ele se corrige. Ela quer saber que dor pode ser essa e passa então a dialogar mentalmente com o dono da carteira, conta sobre um amor perdido, uma carta, suas dores e um silêncio que ainda incomoda.

Em Golden Gate, uma mulher bem-sucedida, que está nos Estados Unidos a trabalho e férias, decide visitar um dos lugares onde mais se comete suicídio no mundo e fala sobre a sensação de estar ali e de todo o resto. Tem outro bonito, O Colapso das Colônias, em que a morte de um amigo da família faz segredos guardados por tantos anos, desde os tempos da ditadura, serem revividos pela personagem. 

Quase todos os contos são narrados por mulheres. Olhos, Cabelo, não. Quem conta esta história é um senhor que testemunha o declínio da mulher, presa em sua mente sem memória. Ele está ali, caixa aberta na mão – dentro, a medalhinha que ganhou do primeiro amor de sua vida. A memória, que ele teme também perder, o leva à praia na primeira vez que viu o mar, ao cabelo da menina. Tudo o que podia ter sido e não foi. Na sequência, em As Coisas Perdidas, uma neta começa a esconder tudo de sua avó. Pequenas vinganças para traumas silenciados. 

Acompanhamos também o narrador de Enquanto os Outros Dançam em sua tentativa de reconstruir uma história a partir de uma cena que vê numa festa: um homem, uma mulher, um passado, um reencontro, uma foto. “Você não vai dizer nada?”, ele consegue ouvir – e espera emergir algo do fundo daquela história.

Você Não Vai Dizer Nada

Autora: Julia Codo

Editora: Nós (160 págs.; R$ 48; R$ 33,60 o e-book)

Tudo o que sabemos sobre:
livroliteraturaconto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.