Geralt/Pixabay
Geralt/Pixabay

Um livro por semana: A dor mora com você ('Ao Pó')

Livro de Morgana Kretzmann ganhou o Prêmio São Paulo de Literatura 2021 na categoria melhor romance de estreia

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

05 de janeiro de 2022 | 03h00

Essa história começa no interior do Rio Grande do Sul, mas poderia começar e se passar em qualquer lugar remoto, qualquer capital de qualquer país do mundo, nas melhores famílias – como se diz. Ao Pó, livro de Morgana Kretzmann vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura em 2021 na categoria melhor romance de estreia, é narrado por Sofia, uma jovem atriz que tenta deixar um passado traumático em sua cidade natal, Tenente Portela, e seguir adiante no Rio de Janeiro. 

Mas não se esquece assim um passado mal resolvido, um trauma não elaborado. Não se segue adiante quando o sentimento de culpa não abranda, ou quando aquela violência se repete no dia a dia, na relação com conhecidos ou estranhos. Sofia é uma mulher. Uma mulher que, como muitas outras, vai sofrer diferentes tipos de abuso durante a vida.

Logo no início da leitura, somos levados ao ano de 1999, para o fim da festinha de aniversário de 11 anos de Aline, irmã mais nova de Sofia, que àquela altura estava com quase 15 anos. A menina desaparece. Sofia pressente que algo muito pesado está acontecendo. Procura a irmã em casa, na rua, e a vê de mãos dadas com o tio. Sabe exatamente do que se trata. Passou por isso até os 13, quando o irmão de sua mãe começou a “passear” com a caçula. Sofia coloca a garota na banheira para o que chama de “banho do esquecimento”, diz que logo aquilo tudo passa, que quando ela crescer não vai mais acontecer, e vai confrontar o tio.

A história avança no tempo, depois volta. 2014, 2007, 2006, 2001. No Rio de Janeiro não existia o cheiro daquelas tardes do passado, como ela diz, nem o tio, nem a irmã que ficara para trás esperando que Sofia a buscasse quando ela fizesse 18 anos. A promessa não foi cumprida. Sofia precisava se afastar de tudo que remetesse ao seu passado. As duas rompem. Não se falam. Não se veem mais.

Longe de casa, há o teatro, amigos, vida. Algum amor, enfim? Sofia se envolve com um dramaturgo renomado, e seu jeito a faz se lembrar do tio abusador que dizia que faria tudo para protegê-la. Altos e baixos. Sofia passa por algo devastador. Não quer denunciar a violência. Sabe que ninguém vai acreditar. Na internet (e na vida real), é julgada, condenada, linchada. E então Sofia bebe, se destrói.

A certa altura, entende que não é possível fugir da dor. “A dor mora com você, às vezes descansa, parece que foi embora, mas, como num jogo de xadrez, ela é a rainha que se move para todas as direções.” Também entende que é preciso recomeçar, voltar, pedir desculpas, se perdoar. Mas não sem antes de buscar o que chama de reparação. 

AO PÓ

Autora: Morgana Kretzmann

Editora: Patuá (164 págs.; R$ 40)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.