Divulgação
Divulgação

Trilogia 'Millennium' terá continuação feita por outro escritor sueco

Editora anunciou livro que dará sequência à série do jornalista Stieg Larsson, que morreu em 2004

O Estado de S.Paulo,

17 Dezembro 2013 | 20h17

ESTOCOLMO - A editora sueca da série Millennium, que inclui Os Homens que Não Amavam as Mulheres (A Garota com Tatuagem de Dragão), anunciou nesta terça-feira que contratou um autor para escrever a continuação da trilogia de Stieg Larsson, que morreu em 2004.

David Lagercrantz, autor da biografia sobre o capitão da seleção sueca de futebol, Zlatan Ibrahimovic ('I Am Zlatan'), é o responsável por continuar as histórias da hacker Lisbeth Salander e do jornalista Mikael Blomkvist. Ele assinou contrato com a Norstedts e a previsão é que o novo livro seja lançado em agosto de 2015.

A trilogia de Larsson sobre o lado mais obscuro da Suécia, com assassinatos misteriosos, escândalos de tráfico sexual e uma unidade secreta do governo, tem sido um êxito internacional com mais de 75 milhões de livros vendidos em 50 países. A série também ganhou os cinemas na adaptação estrelada por Daniel Craig e Rooney Mara.

A diretora de publicações da Norstedts, Eva Gedin, disse que o novo livro será uma obra original e não terá nada do que Larsson começou a escrever para o quarto romance da série, mas que acabou não finalizado quando ele morreu aos 50 anos, após uma parada cardíaca.

"Obviamente se desenvolverá a partir dos livros anteriores. Blomkvist e Salander estarão presentes, assim como outros personagens", afirmou. "Claro que estamos muito animados. Acreditamos ter encontrado um autor esplêndido para o projeto", disse.

Gedin diz ainda que a decisão de continuar a série Millennium teve importantes considerações e uma grande negociação com o pai e o irmão de Larsson, Erland e Joakim Larsson, os quais têm posse dos direitos de obra.

O novo autor disse que se sentiu cético com a ideia de escrever o quatro livro, mas que mudou de ideia quando leu os primeiros romances. "Senti que esses personagens, Blomkvist e Salander, mereciam uma vida mais longa".

Lagercrantz não quis revelar falar sobre a trama por enquanto, mas disse que o esplendor de Lisbeth será visto de novo. "Nos tempos em que vivemos, em que somos vigiados por autoridades norte-americanas como a NSA, uma hacker como Lisbeth Salander se faz necessária".

Briga. A mulher de Larsson, Eva Gabrielsson, parece não ter gostado muito da ideia de continuar a obra. Ela trava na Justiça com o irmão e o pai do autor pelos direitos autorais sobre a trilogia. Ela disse ao jornal Aftonbladet que o novo livro é "de muito mal gosto" por tentar fazer mais dinheiro de algo que já tem tanto sucesso. "Acho que é ganância, que é uma indústria multimilionária", afirmou.

Eva e Larsson foram parceiros por mais de 30 anos, mas nunca se casaram. O escritor não deixou um testamento, assim seu pai e irmão herdaram os direitos da obra. Desde a morte dele, o lugar onde está guardado o manuscrito não terminado do quarto livro é um mistério. A princípio, a mulher falou que tinha o rascunho em um notebook, mas depois afirmou que não o tinha e que não quer que nenhum outro livro da Millennium seja publicado.

A série de Larsson virou sensação logo após a publicação do primeiro livro, em 2005. As outras duas publicações que finalizam a trilogia são A Garota que Brincava com Fogo e A Rainha do Castelo de Ar. / COM AP E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.