Guilherme Sobota/ Estadão
Guilherme Sobota/ Estadão

Tratar da realidade imediata na ficção pode ser armadilha, dizem escritores na Flip

Christiano Aguiar e Antonio Lino conversaram sobre as relações entre literatura e política no Brasil do século 21

Guilherme Sobota, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2018 | 13h01

ENVIADO ESPECIAL A PARATY  - Tratar a realidade brasileira com literatura contemporânea pode armar um par de armadilhas para o autor, e essa foi uma das preocupações centrais da mesa que abriu nesta sexta-feira, 27, a programação paralela da Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (Flipei), o barco-sensação da 16.ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty

** Flip 2018: Encontro revela os desafios infinitos das mulheres

Christiano Aguiar e Antonio Lino conversaram sobre suas produções mais recentes.

Aguiar lançou recentemente o livro Na Outra Margem, O Leviatã (Lote 42), uma reunião de contos que ficcionalizam situações diferentes, relacionadas à questão política. "Mas antes disso, a própria existência da literatura é política, mesmo sem qualquer pretensão. Ela pede a escuta, o diálogo. Literatura não está na gaveta. É o encontro de duas subjetividades."

Em um conto, por exemplo, ele ficcionaliza uma reintegração de posse inspirada pelo episódio do Pinheirinho, em São Paulo, em 2011, mas transportada no texto para o interior da Paraíba, onde ele nasceu. "Mas não há no meu trabalho uma busca imediata por respostas. Procuro que o impacto da situação passe no primeiro momento, e depois preciso encontrar a lógica para contar aquela história, mas não coincide com a busca de uma resposta imediata", explicou o autor. "O compromisso primeiro do escritor é com a linguagem."

Lino lançou no fim de 2017 o livro Branco Vivo (Editora Elefante), para o qual viajou a várias partes do Brasil em busca de histórias relacionadas ao programa Mais Médicos. Não-ficção, a obra tem fotografias de Araquém Alcantara.

** Na Flip, Eliane Robert de Moraes fala sobre Hilda Hirst e contos eróticos do Brasil

"Dos anos 50 para cá, temos a consciência do subdesenvolvimento, de Antonio Candido, que é a da miséria e da perpetuação da miséria. Ainda me filio à linhagem modernista com vínculo à realidade social", disse o escritor.

Com 14 editoras independentes, o barco da Flipei é uma das principais novidades desta edição da Flip. O barco fica atracado à margem do canal e a plateia, no continente. A iniciativa da editora Autonomia Literária e do coletivo Rizoma representa um movimento recente na Flip, de agregar editoras menores em espaços colaborativos, atraindo assim mais bibliodiversidade a Paraty.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.